RESENHA: Guerra Mundial Z (2013)

world-war-z-poster-4

Por Jarmeson de Lima

Às vezes você tem medo que o trailer de um filme entregue demais ou mostre apenas as melhores partes de um longa que se arrasta por 120 minutos. O trailer de “Guerra Mundial Z”, que custei a ver e que passou a aparecer em intervalos de TV nas últimas semanas, ao menos não corre nenhum desses perigos. Nem entrega demais nem mostra as melhores partes do filme (até porque não as tem). Ele é simplesmente igual ao filme: superficial e quadradão.

“Guerra Mundial Z” se distancia e muito do que poderia ter sido uma adaptação do livro “World War Z” e do que poderia ser um filme de apocalipse zumbi com super produção. Há muito o que se lamentar, na verdade. De certa forma é um grande desperdício de ideias a serviço de uma trama melodramática, que termina com uma mensagem de paz e esperança. E isso não é nenhum spoiler, uma vez que já anunciaram uma continuação dele para daqui a um tempo.

Mas se você for ao cinema esperando um filme de terror, esqueça. Marc Forster conseguiu colocar uma carga sentimental e dramática a tal ponto no filme que a história toda da infecção zumbi no mundo torna-se apenas um mero pano de fundo. Do começo ao fim do filme vemos Brad Pitt e sua família. Ora juntos, ora separados, mas tentando se reencontrar.

Todo o contexto político-social da obra original de Max Brooks, se dilui em frases e descobertas ao longo da jornada de Brad Pitt pela Terra. E no fim das contas esta fica sendo a parte mais interessante no filme e que não aparece na tela. Nesta nova missão de Brad Pitt, aqui como ex-agente da ONU que encarou diversos conflitos em zonas de guerra, ficamos sabendo só por alto como a Coreia do Norte, Russia e India lidaram de maneira incomum com o problema que se espalhou rapidamente pelo planeta. E é claro que a missão do marido de Angelina Jolie é tentar encontrar uma “cura” para a humanidade, que ao se infectar com o “vírus” é capaz de se transformar em zumbis em menos de 10 segundos.

Vale citar que em “Guerra Mundial Z”, os zumbis não andam, nem correm. Eles avançam, pulam e são extremamente agressivos. Parece uma evolução dos “infectados” de “Extermínio”, de Danny Boyle, com a diferença de que neste novo filme mal vemos sangue. Sim, pois é… um filme de zumbi onde o que menos aparece é cabeças explodindo ou sangue jorrando. Por conta destas restrições de cena para atingir mais público nas salas de exibição, os zumbis vão sendo exterminados na tela como se fossem formigas. Aos montes, em grupo e ao longe com técnicas pouco sofisticadas de destruição em massa.

World-War-Z-2013-StillsSem emoção, sem tensão e sem terror, “Guerra Mundial Z” parece um prato congelado preparado no microondas. Tem ali os ingredientes que você gosta, é feito de forma rápida para estar pronto para comer, mas na hora que você degusta, não é igual ao que tem na embalagem. E tudo isso com direito a um explícito merchandising de refrigerante nas cenas finais.

* A equipe do Toca o Terror agradece à EspaçoZ pela oportunidade de ver o filme na sessão cabine de imprensa.

2 comentários sobre “RESENHA: Guerra Mundial Z (2013)

  1. Pingback: RESENHA: The Walking Deceased (2015) | Toca o Terror

  2. Pingback: RESENHA: Train to Busan (2016) | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s