RESENHA: Karuto (2013)

Por Júlio César Carvalho

Cult-karuto-2013

Começo logo com a infeliz constatação: KARUTO não é apenas ruim. É muito ruim mesmo. É como se tivesse sido uma exigência do produtor: FAÇA UM FILME RUIM! E assim foi feito.

A premissa é bem simples. Tudo gira em torno de um grupo de garotas que resolvem participar de um documentário de televisão que investiga atividades paranormais. O evento aqui registrado é na casa da suposta família Kaneda.

De cara, nos é mostrado uma aparição registrada por uma câmera caseira que já provoca risos… mas como até então não rolou nem 10 minutos de filme, então você continua assistindo. Quando elas chegam na casa dos Kaneda, já tem um sacerdote na porta de casa esperando a galerinha da TV pra registrar o tal exorcismo que está prestes a acontecer. Daí em diante as coisas desandam, tanto para a trama, quanto para a qualidade dessa “obra”.

Karuto-2

Caros leitores, é uma sequência de situações toscas. Tem gente possuída subindo escada de traz pra frente, tem cabeça de cachorro com tentáculos, tem minhoquinhas voadoras, japinha de cabelo oxigenado com superpoderes, etc. Nem as imagens propositalmente de baixa qualdiade pra dar um tom documental se salvam. O pior de tudo é que nada ali é uma tiração de onda. KARUTO se leva a sério!

Lá pela metade, o tal Sr. Neo (o japinha oxigenado), descobre que alguém na rua passou andando e jogou, por sacanagem, uma “BOMBA DEMÔNIO”! A partir daí a trama toma rumos mais idiotas ainda. Imagina só… alguém tá andando e resolve jogar uma “BOMBA DEMÔNIO” no jardim da tua casa. Claro! Por que não, né?!

Então é com esse nível de roteiro que tudo caminha para uma revelação mais grave que a tal bomba, resultando num final podre de ruim. Mas isso não chega a irritar mais, pois já é esperado que nada ali vá prestar.

Karuto_1

O diretor, Kôji Shiraishi, por incrível que pareça, já é experiente no terror. Na sua filmografia de 11 filmes (todos de terror) e 1 curta pra uma coletânea chamada DARK TALES OF JAPAN (2004), consta o maravilhoso NOROI (2005) que, como esse, também é um falso documentário sobre paranormalidade, mas, ao contrario desse, é sensacional em todos os aspectos. O cara curte o estilo found-footage documental tanto que além dos já citados, ele também comanda um tal de OKARUTO (2009) e SHIROME (2010), ambos no mesmo formato.

Mas infelizmente, nada em KARUTO parece crível e/ou mesmo assustador e nem engraçado. É um desastre cinematográfico total que nem a desculpa de baixo orçamento se aplica. Diante disso, parece que Kôji Shiraishi nos concebeu o ótimo NOROI na sorte. E ainda fez um trailer que engana muito bem e disfarça a total tosqueira que KARUTO, de fato, é.

Direção: Kôji Shiraishi
Roteiro: Kôji Shiraishi
Elenco: Yû Abiru, Mari Iriki, Mayuko Iwasa
Origem: Japão, Hong Kong

3 comentários sobre “RESENHA: Karuto (2013)

  1. Vai ver o roteirista achou que seria bom pra trama colocar algo diferente (Bomba Demônho) porque eu mesmo já tô de saco cheio de nego jogando macumba no protagonista.

    Curtir

  2. Ah, claro, ‘ótima’ escolha dele então ahahaha… Ah, se só esse o problema do filme tsc tsc tsc… é MUITA coisa tosca quem nem bizarro ou engraçado fica.

    Mas falando sério, pode ser que pra cultura deles isso seja algo relevante, vai saber, né?

    Curtir

  3. Pingback: RESENHA: Sadako Vs Kayako (2016) | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s