DEPOIMENTOS: “Quando Eu Era Vivo” (2014)

Ao invés de publicarmos uma só resenha sobre este belo trabalho do diretor Marco Dutra, vamos aqui compilar depoimentos de gente que viu o filme e que disse por quais motivos ele precisa ser visto.

Quando-eu-era-vivo_f12

“Marco Dutra leva o espectador para recantos escuros do comportamento humano, mas sem precisar gritar obscenidades no seu ouvido. A sutileza ainda pode ser uma arma bastante afiada.” (Ernesto Barros)

QuandoEueraVivo_n

Horror de responsa. Tem falhas? Sim, mas nenhuma que comprometa o andamento da obra. Outro ponto MUITO a favor: o filme não se rende aos clichês do gênero.” (Queops Negronski)

Partitura_QEEV_n

É com inteligência e sutileza que Dutra (inspirado no romance ‘A arte de produzir efeito sem causa’, de Lourenço Mutarelli) traça ao mesmo tempo a trajetória (para)psicológica de Júnior, reconstrói fragmentariamente o passado da família, redesenha o espaço da casa e lança os personagens em novos impasses. O papel da música na construção de Quando eu era vivo mereceria um texto à parte. A trilha sonora dos irmãos Guilherme e Gustavo Barbato, com a participação do próprio Marco Dutra em diversas composições (e do cineasta Caetano Gotardo em algumas letras), é essencial não apenas para criar o clima emocional do filme, mas também para contar a própria história e multiplicar seus sentidos.” (José Geraldo Couto)

QuandoEuEraVivon

Corro o risco de estar sendo precipitado, mas ‘Quando Eu Era Vivo’ é um divisor de águas para o cinema brasileiro. O diacho do filme só faz crescer quando eu penso nele. Verei de novo antes que saia de cartaz.” (Osvaldo Neto)

Quando-eu-era-vivo_fagundes

Em ‘Quando Eu Era Vivo’ a equipe parece à vontade com a tradição do cinema de horror. Nota-se, por exemplo, na minuciosa direção de arte, referências à ‘trilogia do apartamento’ de Polanski (composta por ‘Repulsa ao Sexo’, ‘O Bebê de Rosemary’ e ‘O Inquilino’). Marat Descartes também mencionou a influência do trabalho de Jack Nicholson em ‘O Iluminado’, de Kubrick, na composição de seu personagem. A macabra canção de ninar transformada em música-tema tem outros antecedentes luxuosos, como ‘Os Inocentes’, de Jack Clayton. Essa multiplicidade de referências, porém, não quer dizer que estejamos diante de uma coletânea de citações. Longe disso. A consistência de ‘Quando Eu Era Vivo’ persiste mesmo em suas ambiguidades propositais, que já são marcas do trabalho de Dutra.” (Laura Canepa)

Um comentário sobre “DEPOIMENTOS: “Quando Eu Era Vivo” (2014)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s