RESENHA: Afflicted (2013)

MV5BMjEzOTczNzA0NF5BMl5BanBnXkFtZTgwMTgwNTYyMTE@._V1_SX640_SY720_Por Geraldo de Fraga

Com a enxurrada de filmes no estilo Found Footage que vêm surgindo nos últimos anos, já tivemos zumbis, lobisomens, fantasmas, alienígenas, trolls, psicopatas e até o Pé-Grande. Por isso, era óbvio que o personagem mais popular do cinema de horror não iria ficar de fora de toda essa festa.

Afflicted (2013) é o filme responsável por trazer os vampiros para esse universo. E o longa dirigido, escrito e até estrelado pela dupla Derek Lee e Clif Prowse, que inclusive usam seus próprios nomes em cena, consegue dar um novo gás nesse estilo já desgastado após tantas produções de baixo nível.

derek-lee-in-afflicted-(2013)

Na história, Derek é diagnosticado com um problema no cérebro que pode lhe matar a qualquer momento. Então ele resolve abandonar o emprego e partir em uma viagem ao redor do mundo no melhor estilo “aproveitar a vida”. Seu amigo de infância, o documentarista Clif, resolve acompanhá-lo na empreitada, registrando toda a aventura e postando em um vídeo blog. Assim, não espere pelo habitual found-footage com imagens caseiras. Tudo aqui é registrado com equipamentos profissionais.

Voltando a falar do enredo, os amigos começam a viagem por Barcelona e em seguida partem para Paris. E é na capital francesa onde a ação realmente começa. Após ficar com uma garota em um bar, Derek é encontrado desacordado e ferido no quarto do hotel onde estava hospedado. Devido à aparente superficialidade das lesões, ninguém se preocupa em procurar um médico e decidem seguir viagem.

afflicted-(2013)-large-picture

Na parada seguinte, em Veneza, Clif começa a perceber as mudanças apresentadas em seu amigo, como sensibilidade à luz e aumento de força e velocidade. Porém, nesse primeiro momento, o longa perde um pouco da sua característica de terror. Clif começa a registrar Derek apostando corrida com uma moto, levantando um carro e pulando de um prédio para o outro. Fica mais com cara de filme de super-herói do que qualquer outra coisa.

Mas quando a necessidade de Derek por sangue surge na trama, os diretores acertam a mão. O objetivo de mostrar novas perspectivas através dos diversos ângulos que as lentes podem proporcionar quando usadas de maneira inusitada é realmente alcançado. As cenas de ataque, quando Derek atua com uma câmera acoplada em seu peito são espetaculares.

derek-lee-in-afflicted-(2013)-large-picture

O estilo found-footage aqui não é conduzido da forma usual, com o velho argumento da fita perdida que foi encontrada e contém um segredo. Pelo contrário. Diariamente, Clif posta as filmagens no vídeo blog e, em alguns momentos, os internautas interagem com os dois através de comentários na página.

Afflicted tem as falhas recorrentes do estilo que resolveu adotar, como diálogos apressados e a ausência de maiores explicações sobre o tema abordado. Mas é tecnicamente muito bom e conseguiu se sobressair no universo do Found Footage. Deixamos aqui um alerta para a cena pós-créditos que além de servir de gancho para uma possível continuação é a melhor do filme. Na última sessão do Cineclube Toca o Terror, nosso convidado Rodrigo Carreiro deixou esse filme como dica. E ele estava certo em elogiá-lo!

Nota: 7,5

Direção: Derek Lee, Clif Prowse
Roteiro: Derek Lee, Clif Prowse
Elenco: Clif Prowse, Derek Lee, Michael Gill
Origem: Canadá e EUA

4 comentários sobre “RESENHA: Afflicted (2013)

  1. Pingback: LISTA: Found Footages que valem a pena serem vistos | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s