RESENHA: Miss Zombie (2013)

4fb43344a14f40b891926b3529f4518a[1]
Por Júlio César Carvalho

O horror no cinema nem sempre é apresentado para dar sustos ou causar ânsia de vômito com o uso de violência gráfica explícita. Às vezes vem em uma forma mais subjetiva, com ideias e conceitos aterrorizastes sobre a sociedade em geral. Esse é um filme de zumbi, de arte e que muitos poderão não considerar um “filme de terror”.

Em um mundo em que os mortos-vivos são parte do cotidiano, uma família rica japonesa encomenda uma zumbi para ajudá-los nos serviços domésticos. Junto com o produto, segue um manual; que, dentre outras coisas, adverte do perigo de alimentá-la com carne, e uma pistola para caso as coisas saiam do controle. É assim que Hiroyuki Tanaka, mais conhecido como Sabu, nos presenteia com esse peculiar filme de zumbi.

Untitled-4Como já é de se esperar de um drama asiático, o ritmo é lento e isso não é necessariamente ruim, mas nesse caso erra em exagerar nas sequências de repetição que servem apenas pra nos mostrar uma rotina óbvia. Ok, a gente entendeu na terceira vez! Mas eis que o roteiro resolve engatar e a coisa começa a ficar feia quando a pobre doméstica passa a ser constantemente violada por outros dois empregados da casa. Mas quando o filho do casal morre afogado e sua mãe em desespero obriga a zumbi a mordê-lo, em uma tentativa de trazê-lo de volta a vida, é que as situações vão de mal a pior. O procedimento dá “certo”, mas, assim que volta à vida, o menino-zumbi segue movido por uma espécie de instinto, abraça a zumbi e se vê em meio a uma disputa materna doentia e bizarra.

Além do médico, sua esposa e filho e dois caseiros, existem os personagens fora da casa como o grupo de crianças que frequentemente apedrejam a zumbi e a gangue que sempre deixa um objeto enfiado em suas costas de presente. As atuações são ótimas. Todos parecem bem à vontade em seus respectivos papéis dando a naturalidade que o roteiro precisa. Obviamente, o principal fica por conta de Sara, a morta-viva vivida por Ayaka Komatsu, que faz um ótimo trabalho. Mas é Makoto Togashi (Koi no Tsumi aka Guilty Of Romance), no papel da esposa, que carrega o filme nas costas, roubando a cena com toda sua carga dramática sempre à flor da pele.

Untitled-2A fotografia em preto e branco chama logo a atenção. Tudo fica equilibrado não dando tanta diferença entre a zumbi e os vivos, já que o sangue e as escoriações se camuflam com os outros tons de cinza das cenas. É aí que essa escolha acerta em cheio e te faz vê-la de igual para igual com os humanos. Escravidão, abuso sexual, desejo, ciúmes etc são usados aqui para ilustrar o quão doentes e malvados poderemos ser dependendo das circunstâncias. Mas aí fica aquela questão: quem são os verdadeiros monstros, os mortos-vivos ou os vivos-vivos?

Apesar do já comentado início um pouco arrastado demais e das repetições, termina de uma forma fantástica, sem medo de ousar ou trair o conceito apresentado, nos presenteando com um momento de total catarse visual e dramática. Algo raro no cinema dos dias de hoje. Miss Zombie pode até não ser um filme feito pra ser visto diversas vezes, mas uma vez assistido, com certeza, não será esquecido.

Untitled-1Veredicto: MUITO BOM

Direção: SABU
Roteiro: SABU
Elenco: Makoto Togashi, Ayaka Komatsu, Toru Tezuka
Origem: Japão

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s