RESENHA: Amantes Eternos (2014)

only_lovers_left_alive_ver5Por Geraldo de Fraga

Não é de hoje que histórias de vampiros são utilizadas em metáforas. Não é de hoje mesmo. Lá em 1897, quando Bram Stoker lançou Drácula, o personagem principal da sua obra já elegia os moradores do Leste Europeu como os vilões da Europa contra a parte mais rica do continente. Com Entrevista com o Vampiro, Anne Rice abordou a temática gay. E por aí vai….

Em Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive, 2014), que chegou aos cinemas brasileiros nesta semana, o diretor e roteirista Jim Jarmusch constrói uma narrativa em que usa os seres da noite como pano de fundo para criticar a mediocridade da produção cultural atual. Razões, infelizmente, ele tem de sobra.

only-lovers-left-alive-tom-hiddleston

Adam (Tom Hiddleston) é um vampiro secular, e também astro do rock, que vive recluso do mundo por conta do tédio que desenvolveu em relação aos humanos, aos quais ele dá a pejorativa alcunha de “zumbis”. Preocupada com a depressão dele, sua amante de longa data Eve (Tilda Swinton) decide encontrá-lo e lhe fazer companhia.

Talvez o discurso sobre a mediocridade do mundo atual soe piegas e até mesmo já gasto, mas Jarmusch consegue tornar o filme interessante em vários aspectos. Primeiro pela escolha do elenco. Tilda Swinton e Tom Hiddleston estão perfeitos. A participação de John Hurt como o escritor Christopher Marlowe, mesmo pequena, é bem marcante. Até a insossa Mia Wasikowska rouba a cena quando aparece.

Outro mérito do filme é mostrar os vampiros como seres que, devido a estarem tantos anos na Terra, possuem uma bagagem cultural enorme. E após conviverem com os maiores artistas e cientistas de todos os tempos, é natural que tudo feito nos dias de hoje os desagradem. Isso fica mais claro na obsessão de Adam por instrumentos musicais antigos e na forma como sua casa é retratada: um amontoado de livros e discos, dos quais ele reluta em se desfazer.

only-lovers-left-alive-jim-jarmusch-05

Além disso, os vampiros também evoluíram em sua natureza. Ao contrário do que acontecia por volta do século XV, como Eve cita em uma cena, eles não se alimentam mais através de ataques a humanos. Fica a cargo da personagem de Mia Wasikowska, Ava (irmã mais nova de Eve), o estigma da clássica predadora, do tipo sensual, sedenta por sangue e que não faz a mínima cerimônia em matar para se alimentar. No filme, algo como a irmã mais nova irresponsável e fútil.

Amantes Eternos não é um longa de terror, mas um que se utiliza de elementos do gênero para contar uma boa e interessante história. Principalmente se você também não aguenta mais os vampiros de True Blood e Crepúsculo. As referências culturais que Jim Jarmusch inseriu durante todo o roteiro, que nos lembra obras como Sandman, ainda é um atrativo a mais. E nem precisa ter toda a bagagem cultural de Adam e Eve para apreciar o filme.

Nota: 8,0

Título original: Only loves Left Alive
Direção: Jim Jarmusch
Roteiro: Jim Jarmusch
Elenco: Tilda Swinton, Tom Hiddleston, Mia Wasikowska
Origem: Reino unido, Alemanha, França, Grécia e Chipre

2 comentários sobre “RESENHA: Amantes Eternos (2014)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s