RESENHA: Chained (2012)

MV5BMTM4NDgwODMwNV5BMl5BanBnXkFtZTcwNDIzMzIxOA@@._V1_SX640_SY720_Por Geraldo de Fraga

Ainda pegando o gancho do nosso podcast sobre filmes polêmicos, falamos hoje de Chained (2012), dirigido por Jennifer Lynch, filha de David Lynch, e escrito por ela mesma em parceria com Damian O’Donnell. No ano do seu lançamento, a Motion Picture Association of America “premiou” a fita com classificação NC-17, o que proíbe que menores de 17 anos, mesmo acompanhado dos pais, possam vê-lo nos cinemas. Por conta disso, a produtora Anchor Bay não conseguiu salas suficientes para exibi-lo, com exceção de festivais do gênero fantástico. Acabou que Chained, praticamente, foi lançado direto em DVD.

taxilynchO filme conta a fatídica história de um menino (Eamon Farren) que, após ter sua mãe assassinada pelo serial killer Bob (Vincent D’Onofrio) acaba “adotado” pelo vilão. A partir daí, tudo se passa dentro da casa de Bob, onde o garoto, agora apelidado de Rabbit, fica responsável pela tarefas de casa. Ele lava os pratos, limpa o chão, recorta matérias de jornais que citam casos de desaparecimento de mulheres e enterra os corpos das vítimas que Bob continua a trazer vez por outra. Tudo isso acorrentado, para que não fuja.

A ideia da fita é mostrar como um relacionamento doentio desse tipo afetaria uma criança em desenvolvimento. Para isso, o roteiro dá um salto temporal para encontrarmos Rabbit com 18 anos e ver como ele se comporta após quase uma década de convívio com Bob. O medo e a submissão ainda estão presentes no cotidiano do rapaz, mas notamos o psicopata mais civilizado em relação ao garoto e até tentando fazer as vezes de pai, em sua lógica distorcida da realidade, claro.

73405085Para um filme basicamente com dois atores, seria necessário duas boas atuações e D’Onofrio e Farren dão conta do recado. Esse primeiro já bem acostumado a interpretar vilões como em Homens de Preto e A Cela. O roteiro mantém uma boa pegada até o final e ajuda o espectador a não se entediar com uma história que se passa praticamente em um cenário.

O que talvez não convença muito bem como motivação para Bob ter se tornado o homem de hoje, é o um velho drama familiar já recorrente nesse tipo de história. Há também um furo, quando percebemos que mesmo com vários casos de mulheres desaparecidas veiculados nos jornais e TVs, durante dez anos, Bob nunca passou nem perto de ser apanhado ou sequer cometeu um erro em seus ataques.

Screen-Shot-2012-07-24-at-2.53.53-PMAs cenas de violência, por várias vezes, são fortes, mas nada que já não tenha sido visto em outros longas do gênero. O que nos leva a perguntar os motivos que fizeram com que a Motion Picture Association of America carimbasse o NC-17 na obra da senhora Lynch. Esse tipo restrição só acentua o falso moralismo desse tipo de órgão. Chained não é brilhante, mas é um filme acima da média e que merecia melhores chances de se promover.

Nota: 6,5

Direção: Jennifer Chambers Lynch
Roteiro: Damian O’Donnell baseado em um roteiro de Jennifer Lynch
Elenco: Vincent D’Onofrio, Eamon Farren, Evan Bird
Origem: Canadá

2 comentários sobre “RESENHA: Chained (2012)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s