RESENHA: Viy 3D (2014)

ByOc3t6IMAAKol2Por Geraldo de Fraga

A onda de remakes, tão popular na indústria americana, parece ter contagiado outro país. Em 2014, foi a vez da Rússia refilmar um dos seus maiores clássicos do cinema fantástico. Viy – A Lenda do Monstro, filme de 1967, dirigido por Konstantin Ershov e Georgi Kropachyov, ganhou uma nova roupagem com ares de megaprodução e com direito até à tecnologia 3D.

viy_3d_mb09

Mas o upgrade não foi apenas nas questões técnicas. Na verdade, o remake, dirigido por Oleg Stepcjanko, toma um rumo bem diferente, o que dá ao filme mais cara de continuação do que de refilmagem. Toda a história do original, cujo roteiro é baseado em um conto de Nikolai Gogol, é contada em flashbacks, enquanto acompanhamos o que acontece depois.

Após uma donzela ser atacada por uma entidade maligna e, à beira da morte, pedir para que o noviço Khoma Brutus reze por ela em seu velório de três dias, um grande mal é desencadeado nesse pequeno vilarejo do século XVIII. É nesse cenário de medo e paranoia que o cartógrafo inglês Jonathan Green (Jason Flemyng) acaba chegando, em meio às suas viagens pelo interior da Europa. A partir daí, o protagonista é envolvido em uma disputa entre o chefe do vilarejo, pai da donzela assassinada, e um padre fanático que discordam sobre os fatos bizarros que acontecem no local.

viy_3d_mb11O roteiro tem o mérito de fazer o filme ser uma homenagem ao antigo e apresentar uma nova história, mas ao mesmo tempo peca por se alongar demais. Salvo os filmes megalomaníacos da Peter Jackson, dificilmente um filme de fantasia precisa ter 2h10. Mas parece que Viy 3D também incorporou essa megalomania de Hollywood. Tudo no filme é exagerado, incluindo aí um monte de cenas gratuitas só para lançar objetos na tela de quem foi aos cinemas russos vê-lo em 3D. Por mais que o efeitos sejam impecáveis, pouco acrescentam à história.

Para os fãs do gênero, Viy 3D vale pela excentricidade por se tratar de um filme fora do circuito americano e por se basear em lendas da Rússia Oriental, que possui um folclore bem interessante. Porém, é uma superprodução, e como tal, mantém os velhos vícios e clichês para agradar o grande público. E agradou. O filme já bateu um monte de recordes em seu país, inclusive o de filme 3D mais visto da história.

viy_3d_mb03

Em suma, Viy 3D não é o pior dos remakes, como dito anteriormente, até inovou por manter a história original e inserir novos fatos por cima, não ofendendo o seu antecessor. Até mesmo porque o filme de 1967 não tem lá um roteiro genial, apesar de ser muito legal visualmente. Só que esse novo longa não é nada mais do que um filme de aventura, que investe mais nos efeitos do que em qualquer outra coisa. Os russos devem ter lotado as salas de cinema para prestigiarem uma produção local, mas como produto de exportação, Viy 3D ainda não é o melhor exemplar

Nota: 5,0 (De 0,0 a 10,0)

Direção: Oleg Stepchenko
Roteiro: Aleksandr Karpov, Nikolai Gogol (história)
Elenco: Jason Flemyng, Andrey Smolyakov, Aleksey Chadov
Origem: Rússia, Ucrânia, República Checa


P.S.: Viy 3D tem partes faladas em inglês e, se você não sabe, na Rússia a dublagem não substitui a voz original. O dublador narra por cima do ator, como um narrador. Até hoje não entendo o motivo disso. Alguém sabe?

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s