RESENHA: Kristy (2014)

Kristy_Random-2014

Por Jarmeson de Lima

Já vimos vários filmes de terror/suspense com uma caçada de “gato e rato”. O que em muitas produções não passa de uma sequência, a “caçada” em “Kristy” acaba sendo o filme inteiro.

A produção é o segundo longa dirigido por Oliver Blackburn, que fez alguns curtas no final da década de 1990 e que fez sua estreia oficial nos cinemas com “Donkey Punch“, em 2008. Estranhamente só depois desses seis anos ele voltou a dirigir e calhou de pegar logo o roteiro de Anthony Jaswinski para jogar nas telas essa longa perseguição de uma hora e vinte e seis minutos.

A história, que é ridiculamente curta, poderia se tornar mais interessante caso as “explicações” que dão mote aos acontecimentos fossem melhores exploradas. É que logo no começo, naquele ritmo frenético e batido que já vimos várias vezes, somos apresentados a inserts de reportagens e vozes em off sobre a morte e o desaparecimento de jovens mulheres em algo que se assemelha a uma seita espalhada pelos Estados Unidos.

RANDOM

Você imagina que isso teria alguma conexão com o que aconteceria em seguida? Se pensou em Sim, acertou. E essa foi só uma das muitas obviedades do roteiro. Daí assistimos ao cotidiano de Justine, uma estudante que acabou ficando sozinha no campus de sua universidade em um feriadão. Só que ela não está tão sozinha assim, uma vez que este é um filme de terror onde coisas precisam acontecer.

A partir de um mero encontro entre uma garota esquisita em um posto de conveniência, descobrimos que Justine passa a ser a vítima da vez, sendo perseguida por gente ainda mais esquisita e que passa a chamá-la de Kristy. Como assim? Calma. Em um dado momento da trama, revela-se que o nome “Kristy” significa “seguidor de Cristo” e que se você mata Cristo, você mata Deus e a seita fica feliz (!). Mas que diabos de lógica é essa, afinal? Deve ser a mesma lógica em incluir no filme um punhado de clichês do gênero e da fuga esconde-esconde aliada às novas tecnologias inserindo cenas de gravação por celular, câmera escondida e outras coisas que não tem motivo.

RANDOM

E como havia falado anteriormente, o restante do filme é apenas esta perseguição dos maníacos a Kristy/Justine, que no meio pro final da trama se revolta contra a situação e resolve enfrentar os seus caçadores que não sabe de onde vieram nem quem são. Os resultados desse contra-ataque são bem inesperados, mas previsíveis.

No final das contas, “Kristy” é um filme que parece bem mais um exercício de construção de cenas do que uma produção fechada em si. É como se o diretor estivesse o tempo todo se esforçando para criar climas em cada cena com a ajudinha do editor de som e daqueles belos cortes de câmera. Só que nisso tudo aí faltou originalidade e uma história menos batida.

Direção: Oliver Blackburn
Roteiro: Anthony Jaswinski
Elenco: Haley Bennett, Ashley Greene e Lucas Till
Origem: EUA

Um comentário sobre “RESENHA: Kristy (2014)

  1. Eu quero saber o nome da cantora que canta nesse filme não consigo achar a musica dela ,só sei que toca lana del rey mas não sei a outra cantora alguém pode me ajudar pfvr,eu agradeceria esse filme e muito legal

    Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s