RESENHA: Entre os Vivos (2014)

aux-vivant

Por Geraldo de Fraga

É normal que jovens promessas do cinema de horror surjam com ideias inovadoras e que, em algum momento da carreira, acabem se rendendo ao mercado e fazendo uma produção não tão boa quantos às anteriores. O que ninguém esperava era que essa guinada chegasse tão cedo à dupla de diretores franceses Alexandro Bustillo e Julien Maury.

Para quem não está ligando os nomes às pessoas, os dois são os responsáveis pelos ótimos A Invasora (2007) e Livide (2011). Neste ano, eles embarcaram em uma nova parceria e o resultado foi o insosso Entre os Vivos (Aux yeux des vivant), que conta a história de três garotos problemáticos que resolvem fugir da escola no último dia de aula e acabam topando com um serial killer em um estúdio de cinema abandonado.

aux-vivant-scene

Após escaparem, os meninos começam a ser caçados pelo vilão quando já estão em suas casas. O primeiro erro do filme é esse. Após criar uma empatia entre o espectador e os personagens principais, o roteiro separa os protagonistas e acaba com a atmosfera de aventura adolescente que foi montada no início da história.

A partir daí, a coisa desce ladeira abaixo direto para um mar de clichês. Na caçada empreendida pelo psicopata, suas vítimas conseguem cometer os mesmos erros estúpidos de todos os personagens de filmes slashers. Para piorar, perdoem o spoiler, as quatro primeiras mortes não são mostradas. A câmera muda para um plano externo e só ouvimos os gritos.

aux_yeux_des_vivants_1-f189c

O curioso disso é que a violência gráfica sempre foi uma das marcas de Bustillo e Maury. Há uma boa dose na cena final, mas ficamos com um gostinho de quero mais, justamente porque sabemos do que os dois são capazes. Mas se algo pode ser plenamente elogiado é a atuação de Fabien Jegoudez no papel do serial killer albino deformado mutante e super forte Klarence. O clássico assassino que entra mudo e sai calado, porém, mete medo com competência.

Entre os Vivos decepciona. É como ver dois treinadores escalarem um bom time, mas não conseguir arrumar um esquema de jogo que encha os olhos dos torcedores. Sabíamos que esse dia poderia chegar, mas não que fosse logo no terceiro filme desses franceses. E pode piorar. Como o próximo longa deles será mais um prequel d’O Massacre da Serra Elétrica, a chance de um 7 x 1 contra eles é bem real.

Nota: 3,0 (de 0 a 10)

Título original: Aux yeux des vivants
Direção: Alexandre Bustillo e Julien Maury
Roteiro: Alexandre Bustillo e Julien Maury
Elenco: Anne Marivin, Théo Fernandez e Francis Renaud
Origem: França

4 comentários sobre “RESENHA: Entre os Vivos (2014)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s