RESENHA: Monsters: Dark Continent (2014)

lhgsSN5OZ1VoW5C8A4xCaEW4wwq[1]

Por Júlio César Carvalho

Há 5 anos atrás, um filme independente chamado Monstros (Monsters, 2010) chamou a atenção por seu subtexto político, formato quase documental e monstros gigantes na fronteira do México com os EUA. Esse filme foi realizado por Gareth Edwards e lhe rendeu o privilégio de fazer o novo filme do Godzilla em Hollywood. Demorou, mas a sequência foi anunciada e, apesar dos realizadores serem outros, os empolgantes trailers animaram os fãs do gênero. Aí, você vai todo empolgado assisti-lo pensando que vai ver um novo Tropas Estrelares (Starship Troopers, 1997) e quebra a cara.

Untitled-1

A trama se passa 10 anos após os eventos do primeiro filme. Agora estamos nas chamadas “áreas infectadas” no Oriente Médio, o tal “continente obscuro” do qual o subtítulo do filme sugere. Preconceituoso? TOTAL! Ao contrário do longa antecessor que soava como crítica a exclusão dos latinos por parte dos EUA, aqui soa apenas pejorativo e gratuito. Acompanhamos o soldado Parkes (Sam Keeley), o resto do pelotão e o sargento badass motherfucker Frater (Johnny Harris). Estes tem a missão de resgatar outros soldados americanos que estão em poder de um grupo rebelde local. Ah, claro, tem monstros alienígenas gigantes vagando pelo deserto e alguns pontos urbanos.

Depois de uma breve, e desleixada, construção de personagem em Detroit, o soldado Parke vai finalmente para o Oriente Médio. Vale citar que há monstros nos EUA, pois o protagonista presencia uma rinha entre um cachorro e um monstrinho, um filhote talvez, nas ruas de Detroit. Em paralelo, o sargento fodão americano é mostrado em missão como infiltrado lá do outro lado do globo. Apresentada a nossa dupla dinâmica, uma bela sequencia de créditos iniciais nos coloca a par do cenário mundial em que o filme se passa. Daí em diante, o longa desanda se mostrando apenas mais um filme medíocre de guerra.

Untitled-4

No intuito de conferir realismo (Lembrando que não se trata de um found-footage), a câmera na mão é o recurso predominante aqui. Então prepare-se para closes excessivos, cenas tremidas etc deixando tudo muito mal resolvido na tela. Os personagem aqui apresentados não despertam empatia por parte do espectador em momento algum. Simplesmente existem para serem mortos em tiroteios e explosões de minas terrestres. Tem aquele chororô de despedida do colega sem as pernas, soldado se martirizando pelo pelotão, enfim… Aí você deve estar se perguntando: E os monstros? Aí você já está querendo demais!

Pra piorar, tudo nessa sequência é superficial. Aliás, nada é abordado de fato. Nem os, aparentemente, eternos conflitos no Oriente Médio e nem os monstros em si. O filme paira num clima de distanciamento contextual irritante, mostrando o quão incompetentes seus realizadores são. Salvo, com ressalvas, a equipe de efeitos visuais, que apesar de utilizar artifícios como muita poeira e visão noturna, para não mostrar tão bem as gigantes criaturas, conseguem apresentar um clima bem realista quando as mesmas são relevadas às claras e com detalhes. Pena que esses momentos são muito poucos.

Untitled-2

Passado já metade do longa, perca as esperanças de achar que Monsters: Dark Continent vai se tornar um filme de monstros em algum momento. Pois não vai. Esses seres são apenas plano de fundo para um filme de “guerra ao terror“. E isso é frustrante! Se a intenção de Tom Green (diretor e roteirista) foi levantar um questionamento sobre quem afinal são os monstros, humanos ou alienígenas, falhou feio. Há umas situações até tensas entre os marines e os rebeldes locais, mas nada que outros inúmeros filmes de guerra já tenham feito de forma competente.

Veredicto: TOTAL ENGANAÇÃO!

Escala de tocância de terror:
Direção: Tom Green
Roteiro: Tom Green, Jay Basu
Elenco: Johnny Harris, Sam Keeley, Joe Dempsie  
Origem: Reino Unido

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s