RESENHA: Amorteamo (primeiro episódio)

Amorteamo_2

Por Geraldo de Fraga

Até que demorou para a áurea mística do Recife do século XIX chegar às telas da Rede Globo, tendo em vista que Guel Arraes já havia ambientado outras produções em cenários históricos do Nordeste (vide O Auto da Compadecida e Lisbela e o Prisioneiro). Amorteamo, série em cinco episódios que estreou na última sexta-feira, usa a capital pernambucana para contar uma história recheada de vários romances trágicos.

No prólogo, Arlinda (Letícia Sabatella) e seu amante Chico (Daniel de Oliveira) são pegos em flagrante pelo marido ciumento Aragão (Jackson Antunes). Chico é assassinado e então ficamos sabendo que Arlinda está grávida dele. O marido traído aceita cuidar do menino para esconder da sociedade que foi corno, mas trata o pequeno Gabriel com desprezo. Após um salto temporal, o já adulto Gabriel (agora interpretado por Johnny Massaro) vive um romance com Lena (Arianne Botelho), filha da empregada. Esse relacionamento revelará mais um segredo escabroso da trama.

Amorteamo-4

Apesar de ser ambientada no Recife, conhecida como a capital mais assombrada do Brasil, a principal referência para a diretora Flávia Lacerda e seus roteiristas e produtores é, na verdade, Tim Burton. O diretor americano já retratou Londres e Nova York em épocas parecidas e da mesma forma mórbida e luxuosa, e tudo em Amorteamo remete a ele. A série é um desfile de atuações teatrais, frases de efeito, figurinos exagerados e até mesmo pequenos números musicais.

O universo fantástico do Recife ainda não foi utilizado como poderia, e nem deve ser, pois tudo indica que o mote da série seguirá mesmo sendo o romance. Há sim fantasmas na trama, mas, por enquanto, nenhum está lá para assustar. A personagem de Marina Ruy Barbosa, alardeada como a grande estrela da obra, só entrará em cena a partir do próximo episódio e, como as fotos de divulgação já mostraram, ela deve ser uma espécie de Noiva Cadáver (Olha lá Tim Burton de novo!).

Amorteamo-3

Amorteamo é uma obra de TV aberta, e mesmo que traga referências diferentes e um grande elenco, tem o mesmo defeito de outras produções: não se arrisca além de um figurino peculiar e de uma cenografia sofisticada. Comparada a outros exemplares da dramaturgia global, é inegável que está acima da média, mas isso ainda é muito pouco tendo em vista que há na televisão brasileira uma carência de produções fantásticas que explorem mais o terror e menos o charme gótico. Se Amorteamo irá cativar um novo público que, futuramente, se mostre disposto a consumir o horror nacional no sofá de casa, só o tempo dirá.

Escala de tocância de terror:

Amorteamo
Direção: Flávia Lacerda
Roteiro: Cláudio Paiva, Guel Arraes e Newton Moreno
Elenco: Marina Ruy Barbosa, Johnny Massaro, Letícia Sabatella e Jackson Antunes
Origem: Brasil

5 comentários sobre “RESENHA: Amorteamo (primeiro episódio)

  1. Realmente a cenografia, figurino e fotografia são bons, mas o roteiro deixou um pouco a desejar; fora que ficou uma impressão que o roteiro foi resumido para que fosse feito em menos episódios, tanto que o primeiro episodio pareceu que foi feito no x2 do dvd player. Vamos ver se o próximo episodio melhora.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Pingback: RESENHA: Supermax – Ep.1 (2016) | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s