RESENHA: Maggie – A Transformação (2015)

maggie

Por Geraldo de Fraga

Há exatos 15 anos (desde o sci-fi O Sexto Dia), que Arnold Schwarzenegger não trabalhava como produtor de um filme. Sua volta à essa função deu-se com mais um exemplar daquele que é o sub-gênero do horror que parece não se esgotar nunca: zumbis. Mas Arnold não ficou apenas nos bastidores. Ele deixou a barba crescer e deu vida a um simples fazendeiro que tem a filha mordida por um zumbi e precisa lidar com o fim inevitável causado por esse acontecimento.

20a6bb744120No universo em que se passa Maggie – A Transformação (2015), a epidemia zumbi chegou, mas ao contrário da maioria das produções do tipo, não temos o clássico cenário pós-apocalíptico. A vida segue tranquila, na medida do possível, naquela pequena cidade da Região Centro-Oeste dos EUA. Outra modificação feita pelo roteirista John Scott é que a transformação após a mordida demora vários dias para que a vítima, enfim, perca sua humanidade.

Maggie (Abigail Breslin) foi abocanhada no braço e, após ser diagnosticada com o vírus Necroambulist, retorna para casa. Mas seu pai, Wade (Schwarzenegger) é avisado que sua fazenda será monitorada pelas autoridades locais e, assim que a garota estiver prestes a virar de fato um zumbi, ela terá que ser encaminhada para um local de quarentena onde passará seus últimos dias.

Captura de Tela 2015-06-01 às 11.30.36Apesar de a cara de Arnold Schwarzenegger tomar mais da metade do poster, Maggie não é um filme de zumbi arrasa quarteirão com cenas de ação, tiros e cabeças explodindo. Os outros infectados mal dão às caras. O longa é um drama minimalista com elementos de terror, que são usados como metáforas para vários problemas que as pessoas com doenças terminais enfrentam e também as consequências para suas famílias.

Belo discurso, mas isso não basta. O primeiro problema é que Maggie, como filme de zumbi que é, poderia se apropriar dos diversos elementos que permeiam esse universo para montar essas metáforas. E isso não acontece. Se tirarmos a infecção do roteiro e a substituirmos por uma condição real, com uma suposta gravidade equivalente (leucemia, por exemplo), teremos uma história sem muitas diferenças da que vimos aqui.

Captura de Tela 2015-06-01 às 10.58.54

A segunda falha é ainda pior: o longa não consegue emocionar o espectador. Nesse tipo de trama, pai e filha caminhando para um desfecho tão triste, não há tiro no pé maior. Há ainda uma tentativa de dar uma maior profundidade à protagonista, mostrando seus amigos e seu namoradinho (também infectado). Mas só piora. Seria muito mais interessante mostrar a reação de um jovem saudável naquele momento, por exemplo, do que colocá-los na mesma situação onde há compaixão dos dois lados.

E como Arnold Schwarzenegger se comporta no meio desse drama familiar todo? Inerte seria a melhor definição. Ele é o maior zumbi do longa. Mesmo quando toma a dianteira para defender sua cria, parece fazer como um robô (com o perdão do trocadilho). Não rolou química entre ele e Abigail Breslin ainda por cima. Não rolou química entre ninguém, aliás.

Escala de tocância de terror:

Título original: Maggie
Direção: Henry Hobson
Roteiro: John Scott
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Abigail Breslin e Joely Richardson
Origem: EUA

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s