RESENHA: Ainda Estamos Aqui (2015)

we-are-still-here-poster

Por Geraldo de Fraga

De alguns anos para cá, o americano Ted Geoghegan já trabalhou como produtor e roteirista de alguns filmes independentes e curtas de horror. Esse ano, ele resolveu sentar-se na cadeira de diretor. O resultado dessa empreitada é Ainda Estamos Aqui (We Are Still Here, 2015), longa também escrito por ele, em parceria com Richard Griffin, que tem na bagagem um monte de tosqueira como Dr. Frankenstein’s Wax Museum of the Hungry Dead.

309f3eEis que a dupla nos entrega um filme de casa assombrada. No roteiro, o casal de meia idade Paul (Andrew Sensenig) e Anne (Barbara Crampton – aquela mesma de Re-Animator) se mudam para uma casa no interior de Nova York. A partir daí – lógico – ambos começam a presenciar fatos estranhos acontecendo na residência, como coisas quebrando e ruídos esquisitos.

Como perderam o filho recentemente, a mãe começa a achar que essas manifestações paranormais são recorrentes do fato de o filho estar tentando se comunicar com eles. Isso dá uma tônica interessante à história, já que essa crença de Anne faz com que eles não tenham idéia do perigo que correm e isso deixa o casal a mercê de tudo de ruim na casa.

we-are-still-here-2Para ajudar nesse contato espiritual, eles convidam um casal de amigos hippies para auxiliá-los. É aí que entram em cena May (Lisa Marie) e Jacobs (Larry Fessenden). Como a mulher possui habilidades sensitivas, ela logo percebe que algo está errado naqueles eventos. A dupla de atores está muito bem no filme, mas a chegada deles também coincide com o momento em que tudo vai ladeira abaixo.

Ainda Estamos Aqui é muito curto para a história que se propõe a contar. O roteiro tem muitas informações que são passadas às pressas. Era melhor ter deixado fatos subentendidos do que jogar tudo em cima de espectador. A prova maior disso é que o diretor precisou usar os créditos finais para contar boa parte dos segredos sobre o que causou a maldição na casa.

we-are-still-here-trailer-700x298Outra coisa que chama a atenção é a mudança abrupta de estilo. O longa começa como um filme de terror psicológico e em um determinado momento descamba para o gore. Pelo menos, a produção se garantiu nos efeitos especiais das cenas violentas. O visual dos fantasmas também é muito bem feito, inclusive venceu o Fantaspoa desse ano na categoria.

Mas no fim das contas, Ainda Estamos Aqui tem mais erros do que acertos. Serve como passatempo, mas se você não quiser ver não perderá muita coisa.

Escala de tocância de terror:

 Direção: Ted Geoghegan
Roteiro: Ted Geoghegan e Richard Griffin
Elenco: Andrew Sensenig, Barbara Crampton, Lisa Marie e Larry Fessenden
Origem: EUA

6 comentários sobre “RESENHA: Ainda Estamos Aqui (2015)

  1. Na metade, o roteiro do nada tenta emular Stephen King com suas tramas super elaboradas envolvendo toda a cidade, só q faz isso nas pressas e acaba não sendo suficiente. Sem contar que a forma mais ‘avacalhada’ que o longa assume em seu terceiro ato se distancia demais do tom mais sóbrio que começou e segurou por boa parte do filme, restando apenas bons efeitos.

    Curtir

  2. Na atual conjuntura, não dá pra esperar mais nenhum grande filme de terror… é bomba atrás de bomba… e cada ano tá pior. “Ainda estamos aqui” ao menos é um filme feito de forma sincera, sem furelagem, com um bom ritmo e que foge um pouco do esquema “James Wan” (nada contra o diretor, mas os filmes dele são tudo a mesma coisa, na minha humilde opinião). Junto com “It follows”, esse pra filme tem sido um o bom filme de terror de 2015 até agora. Se alguém tiver alguma outra sugestão de filmes lançados esse anos que sejam melhor que esse, eu agradeço.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Esperava mais deste filme, um belo cenário, um início bacana, lembrou em alguns momentos O iluminado, mas quando o terror psicológico é substituído abruptamente pelo gore, o filme de sério para a ser avacalhado.

    Curtir

  4. Muito ruim esse filme, achei bem tosco as cenas de sangue jorrando, tava muito fake… e o roteiro fraquíssimo, principalmente na hora de contar sobre o passado da casa, final desconexo… Que bom que não era um filme de longa duração, não perdi muito tempo! Não recomendo e na classificação ele só merece uma caveira.

    Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s