RESENHA: Sharknado 3 – Oh Hell No! (2015)

Sharknado-3-600x800__

Por Geraldo de Fraga

Poderia uma história sobre um tornado que arrasta centenas de tubarões do mar para a cidade render três filmes? Na verdade, se o bom senso fosse levado em consideração, não deveria render nenhum, mas a ode ao absurdo de Sharknado chegou à terceira parte da franquia com Sharknado 3 – Oh Hell No!.

Sharknado 3: Oh Hell No!

O longa do SyFy Channel, em parceria com a produtora picareta The Asylum, é novamente dirigido por Anthony C. Ferrante e escrito por Thunder Levin. A ação muda mais uma vez de cidade e começa em Washington, onde nosso herói Fin Shepard (Ian Ziering), agora brother do presidente dos EUA, recebe uma honraria do governo americano. Mas a trama também nos leva a Orlando, onde April (Tara Reid) curte as férias com o resto da família e para onde Fin parte para resgatá-la, quando os tubarões começam a cair do céu.

Sharknado_hero_sharknado_3

É difícil analisar Sharknado 3 como obra cinematográfica, pois chegamos a conclusão de que ele nem se considera mais um filme. O que vemos na tela é apenas uma sucessão de cenas absurdas, que inclusive já se tornaram repetitivas, intercaladas com algumas participações especiais, sejam de celebridades como George R.R. Martin ou de atores sumidos, tipo Lorenzo Lamas.

Não há atuações convincentes, porque não há um público para ser convencido. Não há uma história relevante, pois ninguém mais liga. Sharknado, desde seu início, foi uma aposta na capacidade dos espectadores de encarar um enredo improvável com efeitos pra lá de pobres. Mas mesmo isso pede uma renovação de ideias e piadas que esse terceiro longa, até tenta, mas não consegue, dada a dificuldade de se ampliar uma tosqueira tão sem sentido.

Sharknado3_gallery_JoeyLogano

Tenta-se criar uma mitologia, como um personagem que ressurge mudado pelos acontecimentos do primeiro filme ou criar uma explicação para a nova invasão de tubarões, mas tudo fica sem importância já que isso nunca interessou a quem se dispõe a acompanhar a saga de Fin Shepard. A saída para inovar incluiu até um toque de interatividade, quando o público agora poderá votar nas redes sociais para escolher o destino de April em (adivinhem?) Sharknado 4.

A pergunta que fica ao terminar o filme é: até quando a disposição das pessoas para ver tubarões sendo carregados por tornados irá durar? Essa terceira empreitada da Asylum já mostrou que a bizarrice de Anthony C. Ferrante e Thunder Levin já esgotou seus 15 minutos de fama. Seria a hora de parar e investir em novas maluquices, mas como dito aqui, teremos outro longa. Boa sorte para quem for assistir!

Escala de tocância de terror:

Direção: Anthony C. Ferrante
Roteiro: Thunder Levin
Elenco: Ian Ziering, Tara Reid e Cassie Scerbo
Origem: EUA

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s