RESENHA: Floresta Maldita (2016)

poster2

[Por Geraldo de Fraga]

Sara (Natalie Dormer) descobre que sua irmã gêmea que mora no Japão está desaparecida. E o pior: na última vez em que foi vista, ela estava na floresta Aokigahara, conhecida por ser um lugar onde as pessoas vão para cometer suicídio. Aflita, Sara parte rumo à Terra do Sol Nascente na esperança de ainda encontrá-la viva.

Floresta Maldita (The Forest, 2016), dirigido pelo estreante em longas Jason Zada, reúne alguns clichês do gênero. Primeiro, temos a saga da protagonista em uma terra “estranha” seguindo pistas envoltas em mistério, porém sem o suspense necessário. O longa ainda consegue a façanha de retratar todos os personagens japoneses como pessoas supersticiosas que veem teor sobrenatural em tudo, fazendo com que o clima de mistério vire algo constrangedor.

Ao chegar na área do floresta, Sara conhece Aiden (Taylor Kinney), repórter australiano que se interessa pela sua história e aceita entrar com ela no meio do mato. Acompanhando os dois, está o guia Michi (Yukiyoshi Ozawa), responsável por ser o elo com o local, esclarecer os fatos e alertar sobre os perigos iminentes. Através dele ficamos sabendo as histórias da floresta e a crença de que espíritos malignos conseguem captar a tristeza nas pessoas, forçando-as a se matarem.

Depois de termos o terreno pronto para a história, enfim, tomar seu caminho em direção ao horror, vem mais decepções. Sara começa a se sentir influenciada pela Floresta, devido à sua angústia de não saber se a irmã ainda está viva. Mas ao invés de criar uma clima de tensão, a direção de Zada prefere seguir o caminho dos sustos fáceis, os famosos jumpscares. O roteiro também não colabora. A tentativa de trazer algo trágico do passado da protagonista soa forçado por causa de mais outro clichê do gênero: a expiação da culpa. E temos ainda o final apressado.

Fica claro que Floresta Maldita tentou se garantir apenas no mito e na curiosidade do público em torno dos suicídios ocorridos em Aokigahara e acabou nos entregando um produto genérico qualquer. E se você ainda estiver afim de assistir por causa do cenário, nem se iluda. A locação usada nas filmagens é na verdade o Parque Nacional de Tara, na Sérvia. Ou seja: desse mato não sai cachorro, muito menos um bom filme.

Escala de tocância de terror:

Direção: Jason Zada
Roteiro: Nick Antosca, Sarah Cornwell e Ben Ketai
Elenco: Natalie Dormer, Taylor Kinney e Yukiyoshi Ozawa
Origem: EUA

9 comentários sobre “RESENHA: Floresta Maldita (2016)

  1. Com tantas críticas negativas esse filme vai ser ótimo, pq no filme a bruxa tinha tantas críticas positivas e pra mim foi uma merda de filme até a animação paranorman mete mas medo do que a bruxa rsrs

    Curtir

  2. Pingback: BALANÇO: O melhor e o pior de 2016 (até agora) | Toca o Terror

  3. Ótimo filme!!!
    Bastante suspense… e o melhor é que todas as cenas que não sabemos se é real ou alucinações da cabeça da protagonista acabam sendo esclarecidas logo em seguida no decorrer do filme nos fazendo entender.
    O filme tem td que esperamos bom Início, ótimo Meio e final Perfeito…

    Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s