RESENHA: Celular (2016)

Celular-poster

[Por Geraldo de Fraga]

Quando foi lançado, em 2006, o livro Celular de Stephen King foi vendido como “a primeira incursão do mestre do horror no universo zumbi”. Naquele ano, as criaturas estavam na moda, e nada mais rentável do que juntar essas duas grifes. Mas só agora, 10 anos depois, a história chega aos cinemas, pelas mãos de diretor Tod Williams, com roteiro do próprio King. E a impressão é que o filme está uma década atrasado.

Cell-6

Apesar de usar o conceito dos filmes de zumbis (infecção de grandes proporções, irracionalidade dos infectados, isolamento dos sobreviventes), os monstros do longa não são os clássicos mortos vivos. São pessoas que estavam usando seus telefones celulares, no momento em que um pulso eletromagnético é disseminado pelos aparelhos e os transforma em seres descontrolados que atacam qualquer um que veem pela frente.

No meio dessa confusão, temos o escritor de quadrinhos Clay Riddell (John Cusack) que está no aeroporto, tentando ir de Boston para Kent Pond, no estado do Maine, para rever sua família. Após o início da epidemia, ele se junta a Tom McCourt (Samuel L. Jackson) e Alice Maxwell (Isabelle Fuhrman), que se oferecem para ajudá-lo em sua viagem.

Cell-20161

Após um início frenético e cheio de ação, o ritmo vai caindo vertiginosamente. Aos poucos, vemos os infectados evoluindo e começarem a andar em grupo, se comunicarem, planejarem ataques e começamos a entender que não acompanharemos uma simples história de sobrevivência e sim um discurso contra a dependência da sociedade atual às tecnologias.

Porém, todas essas informações subsequentes, assim como as teorias desenvolvidas pelos personagens para entender o processo, são mostradas de forma superficial, o que deixa o longa confuso. Sem contar no surgimento de um vilão que ninguém sabe de onde vem e que acaba levantando um monte de questões que o filme não responde. O elenco ainda não colabora. John Cusack segue com sua eterna cara blasé e Samuel L. Jackson só está ali cumprindo tabela.

Cell-2

Fica a impressão de uma má adaptação. Mas como explicar isso se o roteiro foi escrito pelo próprio King? Celular deixa ainda um final em aberto que deve agradar a poucos, pois esse tipo de desfecho só é satisfatório quando a história tem algo relevante a dizer. Como dito antes, é um filme que chegou atrasado, quando todo mundo já deitou e rolou em cima da temática pós apocalíptica e criticou de várias maneiras o uso desenfreado de smartphones, tablets e afins. O Celular de Tod Williams é o popular “tijolão”.

Escala de tocância de terror:

Direção: Tod Williams
Roteiro: Stephen King e Adam Alleca
Elenco: John Cusack, Samuel L. Jackson e Isabelle Fuhrman
Origem: EUA
Ano: 2016

6 comentários sobre “RESENHA: Celular (2016)

  1. A Última Premonição – Crítica SEM SPOILER

    ASSISTAM A CRITICA AI GALERA E VEJAM O QUE ACHEI DO FILME QUE SO VAI SER LANÇADO DIA 14 DE JULHO . EU ACOMPANHEI A PRE ENTREIA E TRAGO A CRITICA PRA VCS

    Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s