RESENHA: Bruxa de Blair (2016)

blair-witch-cartaz

“A Bruxa de Blair” foi indiscutivelmente um marco para o cinema de horror do final dos anos 90, dando um novo fôlego para o subgênero found-footage. O sucesso foi tanto que gerou inúmeros clones e uma sequência bem canastrona. Anos depois, surge um novo filme, que é uma continuação dos eventos do primeiro filme e ignorando a malfadada parte 2 com seu “Livro das Sombras”.

O novo filme segue James, irmão de Heather, protagonista do filme original, em seu desejo de descobrir tardiamente o que aconteceu com sua irmã. Mesmo depois de quase 20 anos, ele nutre um desejo de encontrar ela com vida na floresta. Junto a ele vão alguns amigos encabeçados por Lisa, uma estudante de cinema e que fornece os equipamentos necessários para filmagem do documentário que eles estão produzindo através dessa busca.

bruxa-de-blair-2016-2

Ao longo da busca, a equipe ganha reforços de Lane e Talia, casal de namorados e moradores dos arredores da floresta que supostamente encontraram uma fita com imagens sobrenaturais. A pequena equipe então segue para o coração da floresta entusiasmados e alegres, mas é pena para eles que essa felicidade não vai durar muito, pois quando a primeira noite cai, o terror (re)começa.

“Bruxa de Blair” segue a estrutura do primeiro filme, com a já famosa câmera na mão guiada pelos personagens. A grande diferença é o uso das novas tecnologias, como câmeras acopladas nas orelhas dos personagens e o uso de drones. Esses equipamentos criam uma diferença gritante e totalmente verossímil nas situações do filme, afinal sempre me foi meio estranho alguém ser perseguido por algo no meio do nada e não largar a câmera de forma alguma. Esse é o grande charme do novo filme, que apesar disso, não está nem um pouco livre de problemas.

_DSC0893.ARW

O roteiro de Simon Barrett (parceiro e roteirista dos filmes mais legais do diretor Adam Wingard) é tão simplista que é impossível não se sentir enganado pelas declarações dos realizadores, que afirmavam que veríamos algo novo e ousado. A história é praticamente a mesma do original, com o infeliz acréscimo de explicações desnecessárias e momentos pseudo-gore que destoam da proposta do filme. O uso do mesmo tipo de susto e de forma sequencial torna-se bastante irritante e o público já se vacina esperando o próximo. Além deles, é claro, existem os sustos com aumento de som, típicos de filmes comerciais.

O diretor Adam Wingard (dos ótimos You’re Next, “The Guest” e de alguns segmentos da antologia V/H/S) entrega uma produção padrão e totalmente convencional, que tirando o já citado uso das tecnologias, parece ter tido preguiça de entregar algo realmente assustador. Tá certo que o roteiro não ajudou, mas as execuções das cenas foram muito aquém do esperado. Não foi dessa vez que a bruxa mais famosa do atual cinema de terror voltou para nos assombrar. E assim fica dado o recado que ela não deve ser profanada e precisa descansar por mais um longo tempo.

Direção: Adam Wingard
Roteiro: Simon Barrett
Elenco: Brandon Scott, Callie Hernandez e Valorie Curry
Ano de Produção: 2016
Distribuição: Paris Filmes

Escala de tocância de terror:

Um comentário sobre “RESENHA: Bruxa de Blair (2016)

  1. Pingback: RESENHA: Death Note (2017) | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s