RESENHA: Supermax – Ep.1 (2016)

supermax-globo

[Por Geraldo de Fraga e Jarmeson de Lima]

Acabou de estrear, após bastante expectativa, a “nova série da Globo”: Supermax. A série foi vendida como um produto voltado ao horror e diferente do que se faz nos padrões da emissora. Infelizmente, entre o que a gente espera e o que realmente foi ao ar há uma diferença grande. Basta lembrar do seriado produzido no ano passado Amorteamo que era anunciado como uma história baseada em “Assombrações do Recife Velho” e que se revelou um romance gótico a la Tim Burton.

supermax4

Antes da estreia em si, a emissora exibiu um mini-especial em que mostra praticamente tudo o que se precisava saber sobre a série. Pra quem não acompanhava as notícias sobre Supermax, digamos que esse breve prólogo tivesse sido didático. Mas pra quem já sabia do que se tratava (um ficcional reality-show com gente problemática em uma prisão de segurança máxima em busca de um prêmio), tivemos apenas o mais do mesmo.

O primeiro episódio, além de tudo, foi confuso, tentando mostrar muita coisa do passado dos personagens numa edição corrida e pobre. Do elenco não dá pra falar muito ainda, até mesmo porque o texto não ajuda. Mas para quem não viu ainda, fique sabendo que a série traz tanto rostos conhecidíssimos como o de Mariana Ximenes e Cléo Pires como ainda um bocado de nomes não tão famosos para dar aquela equilibrada.

Supermax tem uma edição ruim e um roteiro pior ainda com diálogos bem caricatos. Mas o maior erro do programa foi achar que seu público alvo é o mesmo do Big Brother Brasil. E não é só por causa de Pedro Bial e sua cara de tabaco leso. Todo o primeiro episódio foi preenchido com referências à “casa mais vigiada do país”: Big-Fone, Teste de Resistência, Confessionário…

supermax3

A Globo realmente acha que seu BBB está inserido na cultura pop a ponto de ser usado como base para uma série de horror? Notamos através das redes sociais, que houve uma grande boa vontade do público em dar uma chance a Supemax. Normalmente esse mesmo público só consome esse tipo de série quando vem de fora mas infelizmente a expectativa deu lugar a frustração.

José Alvarenga Jr. assina a direção geral da série ao lado dos escritores Fernando Bonassi e Marçal Aquino com mais uma equipe de consultores e roteiristas dentre os quais estão Dennison Ramalho e Juliana Rojas. Ainda é cedo para saber o quanto foi aproveitado ou suavizado na série das ideias propostas por Dennison e Juliana, roteiristas que já demonstraram talento em suas produções independentes.

A série pode melhorar, claro. E a maioria dos entusiastas do horror nacional deposita sua confiança no que a equipe de roteiristas bolou para os próximos episódios. Mas, a princípio, Supermax não agradou em nada.

P.S.: Existe um livro de Sharon Shalev, publicado em 2009 nos Estados Unidos intitulado de Supermax. O livro fala dos problemas do confinamento de pessoas em prisões de segurança máxima. Terá sido coincidência?

livro-supermax

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s