RESENHA: Voice from the Stone (2017)

Em 1950, na região italiana da Toscana, o rico garoto Jakob (Edward Dring) fica traumatizado após a morte de sua mãe e deixa de falar. A jovem enfermeira Verena (Emilia Clarke, a Daenerys Targaryen de Game of Thrones) é chamada para cuidar dele. Aos poucos, ela conhece os segredos do pai da família (Marton Csokas) e do próprio Jakob. Verena, então, suspeita que os muros de pedra contêm forças malignas que se apoderaram da criança, e que agora tentam se apoderar dela também.

Essa é a sinopse de Voice from the Stone, que apesar de ser estrelado pela “Mãe dos Dragões”, passou meio despercebido do grande público. Porém, essa semana, o filme tem a chance de ganhar um lugar ao sol, já que entra no catálogo da Netflix Brasil. Dirigido por Eric D. Howell, que tem em seu currículo um monte de trabalhos em efeitos especiais, o longa é baseado no livro “La Voce Della Pietra”, do italiano Silvio Raffo.

Voice from the Stone, que até o momento não tem título nacional, é um típico horror gótico. Uma estrangeira em um casarão estranho no meio do nada, com um mistério envolvendo uma criança, um patrão solitário e bonitão, além de um velho empregado mal-encarado que sempre surge do nada e age de modo suspeito. E um fantasma, claro, que, aqui, surge das pedras, como sugere o título.

Esse é um gênero apreciado pelos fãs de terror tradicional, mas hoje em dia dificilmente agrada a maioria dos espectadores, principalmente pelo ritmo lento e repetição de fórmulas. Mas mesmo filmes que mostram tudo que já vimos em outras produções podem trazer algo interessante. No entanto, o longa de Eric D. Howell é bem monótono. A saga da protagonista em busca da verdade vai nos revelando pistas não muito surpreendentes e nem as boas atuações de Emilia Clarke e Marton Csokas conseguem trazer algum sopro de criatividade.

Se fosse adaptado há 50 anos, Voice from the Stone poderia ter virado um clássico. Em 2017, no máximo, poderia ser apontado como um filme que reverencia os clássicos, mas dizer isso não seria verdade. Não se vê na produção, que é bem bonita visualmente, esse apelo saudosista. Talvez, se tentasse, seria menos entediante. Caminhando com as próprias pernas, acabou levando uma topada.

Escala de tocância de terror:

Direção: Eric D. Howell
Roteiro: Andrew Shaw
Elenco: Emilia Clarke, Marton Csokas e Edward Dring
Origem: EUA
Ano de produção: 2017

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s