RESENHA: Um Lugar Silencioso (2018)

[Por Geraldo de Fraga]

No mainstream do cinema de terror atual, não é segredo para ninguém que o som assusta mais do que qualquer aparição na tela. Sem o famoso “PAM” saindo das caixas dos multiplexes, poucas produções de Hollywood se sustentam e conseguem fazer os espectadores saírem da sessão com o coração na boca e satisfeitos pelos solavancos que receberam.

Por conta disso, é de se elogiar a iniciativa de John Krasinski de produzir seu Um Lugar Silencioso (A Quiet Place, 2018) subvertendo as leis do jumpscare. Não que o diretor não faça uso desse artifício, mas não o utiliza a torto e a direito e o trabalha de uma forma onde o som (e também a ausência dele) conta a história do filme.

No interior de Nova York, Lee (John Krasinski) e Evelyn (Emily Blunt) vivem numa fazenda imersa em um cenário pós apocalíptico. Criaturas monstruosas dizimaram grande parte da população da Terra e seguem a espreita para exterminar os que restaram. O longa já deixa o cenário estabelecido, sem grandes explicações sobre a chegada dos inimigos.

O que se sabe é que eles são cegos e atacam guiados apenas pela audição. Assim, é imprescindível que os sobreviventes permaneçam em total silêncio para manter os predadores o mais longe possível. O roteiro é simples, focado na luta pela sobrevivência, sem a pretensão de grandes reviravoltas. E nesse núcleo minimalista há grandes atuações de todo o elenco, com destaque para a adolescente Millicent Simmonds, que interpreta a filha mais velha.

Mas o que Um Lugar Silencioso nos proporciona principalmente, além de um excelente trabalho de edição de som, são sequências de suspense de tirar o fôlego. A ameaça não é velada, está lá o tempo todo, “talvez um pouco demais”, podem achar os mais puritanos, porém nunca gratuitas. Falar mais, estragaria uma trama tão enxuta.

De questionável mesmo, dá para alfinetar o visual ‘Stranger Things Style’ das criaturas. Ainda assim, nada que atrapalhe. O filme entra em cartaz nesta quinta-feira (5) e é uma boa pedida para a pipoca do fim de semana.

Escala de tocância de terror:

Direção: John Krasinski
Roteiro: Bryan Woods, Scott Beck, John Krasinski
Elenco: John Krasinski, Emily Blunt e Millicent Simmonds
Origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

4 comentários sobre “RESENHA: Um Lugar Silencioso (2018)

  1. Eu vi uma crítica curta do Pablo Vilhaça e segundo ele o filme merece ficar ao final do ano entre os 10 melhores. Espero assistir também.

    Curtir

  2. Fiquei com vontade de ver o filme, ainda mais que você não deu cinco estrelas rsrs (não sou fã do gênero, evito assistir filmes do tipo até em casa), o enredo do trailer me chamou tanto a atenção que me senti obrigada a procurar uma resenha (uma que não seja de omelete ou adorocinema).

    Curtir

  3. O filme é fraco, sem explicações de nada, de onde vieram, como chegaram na terra, um filme sem sustos, ou seja, novamente um terror fraco ,sem imaginação e total falta de explicações pelo diretor do filme.Eu , em minha humilde opinião , achei um filme meio bosta!

    Curtir

  4. Pingback: RESENHA: Hereditário (2018) | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.