RESENHA: Deep Blue Sea 2 (2018)

[Por Felipe Macedo]

Queira ou não, os tubarões estão novamente em evidência. Seja pelo entretenimento como por exemplo o lançamento do trailer de Megatubarão (2018) ou pelo lado jornalístico que relata o ataque mais recente que ocorreu neste último domingo na praia de Piedade. Aproveitando a onda (oeee!), nada melhor do que falar dessa sequência de Do Fundo do Mar, realizada quase 20 anos após o original estrelado por Samuel L. Jackson.

Se bem que “sequência” não seria o termo certo nesse caso. O filme está mais para um remake pobre do que uma parte 2 em si. Para se ter uma idéia, em nenhum momento os eventos do primeiro filme são citados.

Na história, um rico empresário recruta profissionais das mais diversas áreas para fazerem uma experiência com tubarões touro com o intuito de fabricar um super soro que potencializaria o cérebro. Vale salientar que isso ocorre numa base no meio do oceano e que também os tubarões vão tocar o terror na instalação, tal qual o original, certo? Mais ou menos…

Os motivos para se levar adiante a pesquisa é uma das coisas mais ridículas que vi num filme recente: O ricaço queria deixar a humanidade super desenvolvida para uma luta iminente contra robôs. As cenas onde um personagem ingere o tal líquido também são de uma magia sem tamanho.

Como foi dito, Deep Blue Sea 2 funciona mais como um reboot, onde temos personagens e situações com características do original. Podíamos até parar por aqui com as comparações, porque mesmo sendo escancaradamente trash, o original era divertido, sangrento, por vezes tenso e até mesmo surpreendente, coisas que não acontecem aqui. A principal ameaça dessa suposta Parte 2 não são os tubarões inteligentes e sim seus filhotes que se comportam como um cardume de piranhas e ainda fazem um barulho irritante.

Os atores, no geral, são muito ruins e atuam como se estivessem fazendo algo sério e tenso. O gore é quase todo feito em CGI e acredito que maquiagem só foi usada uma vez. A direção é arrastada e sem inspiração, fazendo que a gente olhe o relógio algumas vezes, mesmo que o filme tenha curta duração. Essa não era bem a sequência que esperávamos ou precisávamos. A franquia com essa poderia ficar literalmente no fundo do mar para sempre.

Escala de tocância de terror:

Diretor: Darin Scott
Roteiro: Erik Patterson, Hans Rodinoff, Jessica Scott
Elenco: Danielle Savre, Rob Mayes, Michael Beach e outros
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s