RESENHA: Hostile (2017)

[Por Felipe Macedo]

Um problema muito recorrente para um fã de terror que namora é a incompatibilidade de gostos com sua parceira(o). A verdade é que é raro quando ambos gostam de ver um sanguinho ou uma assombração em tela. Quando um quer ver comédia, outro tá afim de ação. Drama ao invés de terror e por aí vai…

A melhor opção no caso, é ver filmes com gêneros cinematográficos híbridos. Misturar romance dramático com terror não é algo visto com frequência, mas isso é o que acontece em Hostile, dirigido pelo estreante Mathieu Turi e produzido por Xavier Gens, diretor de filmes como Frontier(s) e The Divide.

Na trama, acompanhamos a durona Juliette, uma jovem mulher que teve que se adaptar aos novos tempos. O mundo mudou e agora é uma sombra do que foi. Cidades são evitadas. A morte está por todos os cantos e o deserto parece tomar conta desse planeta morto e recheado de criaturas humanoides e famintas por carne humana.

Voltando de uma missão, a mulher sofre um grave acidente de carro e fica bastante ferida. Perdida no meio do nada e sem comunicação ela fica com uma criatura em seu encalço. Nesse meio tempo, a narrativa é costurada com flashbacks que contam a vida da personagem antes da catástrofe.

O uso de flashbacks tem a função de dar mais profundidade à personagem, além de dar um respiro na tensão. Ainda assim, não é todo tempo que esse efeito funciona. Dividido entre fazer um drama ou um terror, o diretor fica no meio termo e a impressão que fica era que deveria ter escolhido um desses gêneros e ter feito algo melhor. A vida da personagem no passado é no maior estilo filme de Julia Roberts e não é difícil de notar várias similaridades com “Uma Linda Mulher” com uma pegada mais carregada no drama.

As partes de horror não são ruins, mas também não trazem nada de novo. É até possível prever certos acontecimentos. Existem momentos gore, mas o foco é construção de tensão, que é constantemente quebradas com as idas e vindas de tempo.

O filme é ruim? Não, definitivamente não. Os atores não são maravilhosos, mas conseguem imprimir carisma e fazer com que tenhamos empatia com eles. Enfim, esse seria uma boa pedida para um date movie embora seja esquecível depois de um tempo.

Escala de tocância de terror:

Diretor: Mathieu Turi
Roteiro: Mathieu Turi
Elenco: Brittany Ashworth, Grégory Fitoussi, Javier Botet, entre outros
País de origem: França
Ano de lançamento: 2017

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.