RESENHA: The Titan (2018)

[Por Jarmeson de Lima]

Em mais uma aposta da Netflix na Ficção Científica, “The Titan” é uma prova que nem sempre a gigante do streaming acerta em suas produções. Veja bem, não é culpa da produção técnica em si (quase sempre impecável), mas de parte do roteiro e de seu ritmo.

A história se passa em 2048… Sim, 30 anos depois deste mal fadado 2018 e basicamente a situação não é boa. Na real, nesse futuro aí, a Terra está uma merda. Metade da população morreu e a outra metade está passando fome devido à escassez de alimentos e problemas agravados pela poluição, aquecimento global e tudo aquilo que todo mundo vem alertando desde já.

Diante deste cenário, o governo norte-americano (sempre ele!) com sua infalível tática de autopreservação, instala uma base militar secreta com ajuda da OTAN nas Ilhas Canárias. É por lá e escondido dos olhos da população mundial, que cientistas e generais tentam novos planos para salvar a raça humana.

O problema é que o tal plano é incrivelmente péssimo (sendo que ninguém quis contrariar os chefões para dizer isso). Então… ao invés de procurarem melhorar a Terra, eles recrutaram os melhores soldados do mundo para uma missão de povoar outro planeta. Mas não exatamente um planeta… e sim um satélite. Titã, uma lua de Saturno rica em Metano, Amônia e Nitrogênio. Vê que delícia!

Como as condições atmosféricas e climáticas de Titã são extremamente adversas, a ideia aqui é fazer o ser humano se adaptar ao planeta com uma série de modificações corporais e genéticas. A solução, no caso, é injetar soros e enzimas diferentes em cada voluntário, objetivando encontrar uma espécie de “Capitão OTAN”.

É de se imaginar que isso deve dar merda… e considerando o histórico de filmes em que humanos misturam seu DNA com outros bichos ou elementos químicos, o resultado pode dar, no mínimo, em criaturas como “A Mosca“. Mas como temos Sam Worthington no elenco, podemos esperar pelo menos um “Avatar“.

O filme inteiro vai nos preparando para esta viagem rumo ao desconhecido incluindo as possíveis mutações humanas e os rumos da missão, mas deixa a gente no meio do caminho. O ritmo meio lento faz qualquer um ficar mais ansioso pelos resultados do que os ‘super soldados’ em treinamento que aparentemente já se conformaram com o acerto ou a tragédia do plano. Depois de meia hora de filme você já entendeu o que vai rolar e o que se passa na tela apenas confirma as expectativas dos fãs de ficção científica.

Com mortes previsíveis aqui e ali e uma série de baixas de figurantes que a gente não faz questão, o longa de Lennart Ruff vai seguindo e economizando cenas violentas para compensar no drama familiar do protagonista. A escolha é apenas para tentar agradar audiência de gregos e troianos sem se definir por um estilo, o que é uma pena, porque apesar da trama meio batida, “The Titan” tinha potencial.

Escala de tocância de terror:

Diretor: Lennart Ruff
Roteiro: Max Hurwitz e Arash Amel
Elenco: Sam Worthington, Taylor Schilling e Tom Wilkinson
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.