RESENHA: Ghostland (2018)

[Por Geraldo de Fraga]

Lá em 2008, Pascal Laugier escreveu e dirigiu Martyrs, um dos destaques do New French Extremity, movimento composto por filmes transgressivos de diretores franceses na virada do século XXI. Dez anos depois, Pascal revisita suas raízes, reverenciando suas referências e, mais uma vez, investindo na violência.

Em Ghostland, Pauline e suas duas filhas adolescentes herdam uma antiga casa no meio do nada e se mudam para o local. Beth, a mais velha, é uma jovem tímida e fã de histórias de terror, inclusive sonha em ser escritora do gênero. Vera faz o tipo rebelde e não está satisfeita em trocar de cidade. Ambas vivem brigando.

Na primeira noite no novo lar, a família é atacada por dois psicopatas, mas sobrevivem. Após esse incidente, o roteiro dá um salto temporal para mostrar Beth já adulta curtindo o estrelato como uma autora de sucesso, porém ainda traumatizada com seu passado. Muito pior está Vera, que segue vivendo com a mãe na velha casa e sofre de danos psicológicos irreversíveis.

Após uma ligação desesperada da irmã, Beth resolve visitar a família para ver como as coisas estão. Lá, ela descobre que as loucuras de Vera talvez não sejam só coisas da cabeça dela. Muito clichê? Sim, mas é de propósito. O roteiro vai subverter os lugares comuns (ou pelo menos tentar).

O que pode ser dito primeiramente, sem dar spoiler, é que Pascal Laugier não perde a mão quando quer aterrorizar. A caracterização dos vilões é muito estereotipada (falaremos disso a seguir), mas a forma como eles são enquadrados, sem mostrar muito, escondendo detalhes dos seus corpos nas sombras, juntos aos seus movimentos rápidos, é um acerto para deixá-los mais assustadores. A direção de arte também ajuda. A casa caindo aos pedaços, cheia de detalhes esquisitos e bonecos sinistros é um elemento fundamental da trama.

Porém, nem sempre Ghostland acerta em encaixar as homenagens/referências. A influência de Lovecraft tão alardeada ao longo do filme é bem superficial e parece deslocada. Tem também um quê ou outro de O Massacre da Serra Elétrica e lembranças a Stephen King, mas nada que o fã do gênero considere um easter egg. Nesse quesito, Laugier parece ainda ser um iniciante e escorrega nas escolhas.

A subversão dos clichês citada anteriormente também não é essa maravilha toda. Há uma reviravolta para desfazer a trivialidade do início, mas isso não quer dizer que o roteiro se desgarra de coisas óbvias. O maior problema são os vilões padrões (problemas mentais e transexualidade), já tão explorados e que hoje exaltam o preconceito presente em várias produções do gênero ao longo dos anos.

Ghostland funciona muito mais como um revival do New French Extremity, com sua fotografia suja e clima tenso durante quase todo o filme. Se você perdoar os vacilos, terá 1h30 de boa diversão.

Escala de tocância de terror:

Direção: Pascal Laugier
Roteiro: Pascal Laugier
Elenco: Emilia Jones, Taylor Hickson e Crystal Reed
Origem: Canadá/França
Ano de lançamento: 2018

Um comentário sobre “RESENHA: Ghostland (2018)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.