RESENHA: A Mata Negra (2018)

[Por Jota Bosco]

Começo logo essa resenha dizendo que sou suspeito pra falar do trabalho de Rodrigo Aragão pelo motivo de: sou tiete! O cara é, sem sombra de dúvidas, o maior representante das produções de horror no país atualmente. Passo a passo foi crescendo como produtor e diretor, conquistando seu espaço e indo, apesar dos poucos recursos, onde ninguém tinha ido antes no gênero aqui no país. Faz filme com cara de produção hollywoodiana e consegue até captação de verba por edital sem ser filme de gente que mora no Sertão com mensagem bonita no final.

Rasgação de seda à parte, bora falar de A Mata Negra, filme que estreou no último Fantaspoa e conta as desventuras da jovem Clara (interpretada por Carol Aragão, a filha do diretor e que já fez papeis em outras produções do pai, mas que pela primeira vez é uma protagonista), criada por Pai Pedro (personagem do sempre marcante Markus Konká), e que vê-se envolvida em uma série de problemas que iniciam com o adoecimento de seu tutor.

A situação dela piora em um encontro com um moribundo Albino (Sim! Ele mesmo! O personagem interpretado pelo Walderrama dos Santos está de volta!) que lhe dá a missão de salvar sua alma destruindo o Livro Perdido de Cipriano em troca de um saco de moedas de ouro. E piora ainda mais ao ter de enfrentar uma legião de fanáticos religiosos liderados pelo pastor Francisco das Graças (papel protagonizado pelo nosso Charles Bronson, Jackson Antunes) e sua fiel escudeira Abigail (numa divertida atuação de Mayra Alarcón, esposa do diretor e também produtora do filme).

Em sua saga, Clara se apaixona pelo jovem Jean (Elbert Merlin), pede a ajuda do granjeiro José (o ótimo Francisco Gaspar que fez o palhaço Cangaço em “Condado Macabro”), que mora com sua mãe, Dona Vera (Margareth Galvão provando que é um tipo de Fernanda Montenegro do horror até mesmo sem falar uma palavra no filme) e com a grávida e resmunguenta Maria (Clarissa Pinheiro). No decorrer da trama, até mesmo um dos vilões, Socó (Marco Antônio Reis), se junta à jovem aventureira em sua luta contra o mal.

Como deve ter dado para notar, A Mata Negra é bastante densa (risos) e esse talvez seja o único elo fraco da obra. O ritmo acaba sendo um pouco prejudicado na apresentação e “união” de tantos personagens no roteiro. Mas nada que chegue a sequer perto de estragar o produto final.

A Mata Negra foge um pouco dos já tradicionais filmes de zumbi de Rodrigo, cheios de gore e humor escrachado, partindo aqui para uma abordagem mais séria do horror “universal” e de nosso folclore (que o diretor já flertou muito bem em As Fábulas Negras, de 2015). Mas… calma! A obra ainda tem momentos divertidos e cenas e enquadramentos que remetem à obra de diretores como Sam Raimi (da franquia Evil Dead e Arraste-me Para o Inferno), àquele Peter Jackson de antigamente (o Peter Jackson de raiz, de Fome Animal), além de um cara que acho que tem uma obra bem similar a de Rodrigo pelos finais “apoteóticos” que é o Álex de la Iglesia (do ótimo O dia da Besta e As bruxas de Zugarramurdi). Também temos de destacar a excelente maquiagem e efeitos práticos (ou não) que já são quase uma assinatura das produções da Fábulas Negras.

Enfim, A Mata Negra chega para mostrar mais uma vez que existe horror feito no Brasil, com cara de Brasil e de ótima qualidade! Torça para que esse filme consiga uma distribuição pelas salas de cinema ou, ao menos, que entre na programação da TV a cabo como as demais obras do diretor.

Dica: Acompanhe o trabalho do próximo filme (O Cemitério das Almas Perdidas) através da página no Facebook da produtora Fábulas Negras.

Escala de tocância de terror:

Título original: A Mata Negra
Direção e roteiro: Rodrigo Aragão e Alexandre Callari
Elenco: Carol Aragão, Francisco Gaspar, Jackson Antunes
Ano de lançamento: 2018
País de origem: Brasil

Um comentário sobre “RESENHA: A Mata Negra (2018)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.