RESENHA: Megatubarão (2018)

[Por Jarmeson de Lima]

Cerca de 40 anos após a primeira febre de filmes com tubarões, estamos vendo novamente filmes que colocam esta fera marítima como protagonista. E em meio a produções modestas e outras que apelam para o escracho por seu baixo orçamento, “Megatubarão” chega para chamar a atenção com um mega orçamento e uma campanha de marketing tão grande quanto o bicho que aparece na tela. Quando você ouve pessoas aleatórias falando na rua sobre o “novo filme de tubarão”, é certeza que pelo menos esta parte fizeram bem.

O filme vem para apresentar este peixe assassino com uma abordagem mais séria e com poucas falhas de roteiro. Mas ao contrário do que o primeiro trailer sugeria, “Megatubarão” não é engraçadinho ou zoeiro. A expressão sempre sisuda e carrancuda de Jason Statham não deixa espaço para piadinhas. Quando elas aparecem, é para quebrar o gelo mas nem sempre funcionam.

Mesclando drama, ficção científica e ação, o filme transcorre em águas internacionais próximo à costa da China. Eis um motivo pelo qual temos também um elenco diversificado e multi étnico que interage bem sem que pareçam forçados. É numa plataforma oceânica que se transformou em uma super hi-tech estação marítima que pesquisadores vão atrás do que seria o ponto mais profundo do oceano.

Após encontrarem um nível sub-abissal a 12 km mar adentro, a equipe descobre um ecossistema deslumbrante que fica bonito de ver na tela do cinema, mas que esconde uma gigantesca ameaça. Sim, a esta altura já devem imaginar que é onde vive o tal megatubarão, descendente do Megalodon, criatura pré-histórica que é maior do que a maior das baleias de nossa era.

E como as coisas não saem conforme o esperado, parte da equipe de exploradores fica presa no fundo do mar esperando resgate. O escolhido para esta missão é ninguém menos que o relutante Jonas Taylor (Statham) que alguns anos antes já havia participado de uma missão turbulenta e complexa, deixando traumas em nosso heroi. Nestas quase duas horas de filme, temos tempo suficiente para ver o protagonista brucutu tentar salvar vidas, mudar de ideia, salvar mais gente e depois buscar uma forma de matar o tubarão implacável.

Não há, no entanto, cenas muitos memoráveis de ação ou sustos em “Megatubarão“. A direção de Jon Turteltaub (“A Lenda do Tesouro Perdido”) é corretinha demais, com cenas econômicas de sangue e mortes mas ao menos faz com que o espectador se sinta encorajado para ver como tudo vai se desenrolar. Após o final dos créditos, no entanto, você fica com a impressão de ter visto SÓ mais um filme de tubarão que assusta mais pelo tamanho do que pela sua voracidade.

Escala de tocância de terror:

Título original: The Meg
Diretor: Jon Turteltaub
Roteiro: Dean Georgaris e Jon Hoeber
Elenco: Jason Statham, Bingbing Li e Rainn Wilson
Ano de produção: 2018

* Filme visto na cabine de imprensa promovida pela Espaço Z no Recife

2 comentários sobre “RESENHA: Megatubarão (2018)

  1. Pingback: DICA DA SEMANA: O Último Tubarão (1981) | Toca o Terror

  2. Pingback: RÁDIO – PROGRAMA 03: Tubarões no Cinema | Toca o Terror

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.