RESENHA: Medo Viral (2017)

[Por Osvaldo Neto]

Uma das coisas mais irritantes no fã de terror (para não dizer do público em geral) é aquela velha cobrança de que ‘falta originalidade’ nos filmes feitos atualmente. Bom… o nascimento do cinema data de antes de 1900, muita coisa foi feita desde então e é seguro dizer que hoje vivemos numa época onde a frase “Nada se cria, tudo se copia” tem sido cada vez mais certeira.

“Medo Viral”, que estreia nos cinemas nesta quinta-feira (16) em circuito limitado no Brasil, retrata um grupo de jovens amigos que passa a ter suas vidas ameaçadas por um aplicativo de smartphone assombrado. Sim, essa é uma ideia um tanto quanto absurda, que até poderia ter rendido algo bem interessante e divertido. O porém é que o longa de estreia dos diretores Abel e Burlee Vang não vai além de uma colcha de retalhos sem qualquer personalidade de uma série de outros filmes recentes de sucesso.

O Sr. Bedevil, a entidade por trás do app do mal, tem um quê de Slenderman, de A Freira de Invocação do Mal 2 (que ganhou um spin-off, mesmo sendo outro personagem tosco) e do Pennywise visto no novo It – A Coisa. Uma das muitas e muitas tentativas canhestras do filme dar um susto no espectador tem até o uso de um balão vermelho (valha-me!). Assim como o ser sobrenatural criado por Stephen King, ela também assume diversas formas para amedrontar quem foi amaldiçoado. Ou seja, se você vê uma personagem conversando com a mãe sobre o medo que tinha da avó, você já sabe de antemão que mais na frente vai rolar algo com uma velha sinistra… e por aí vai. Tem até um Ursinho Ted do inferno.

Sério…

Como se já não bastasse ser previsível e genérico até a medula, MEDO VIRAL ainda comete aquele velho pecado de quase tudo que é terror teen: o de ter protagonistas completamente inexpressivos e desinteressantes, interpretados por um elenco idem. Quando os personagens começam a ir pro saco, as atuações e direção conseguem ser tão nulas que nem mesmo os outros personagens parecem ficar tristes ou se importar tanto com quem acabou de morrer. Se eles não se importam, por quê o espectador se importaria?

É tanta da burrada que nossos “heróis” cometem, uma atrás da outra, que fica impossível de torcer por eles. Você sabe que tá lascado quando o expert em tecnologia do filme fala de um ‘firmware’ como se ele fosse um antivírus. Em suma, mais uma produção boba e descartável que talvez só agrade a quem assistiu a 10 filmes de terror na vida. Que o Sr. Bedevil não volte mais para aterrorizar quem escreve resenhas pro Toca o Terror.

Escala de tocância de terror:

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.