RESENHA: O Terceiro Olho (2017)


[Por Felipe Macedo]

A Netflix, desde seu início sempre investiu bastante no gênero horror e nos mostrou várias obras de diferentes qualidades no decorrer desses anos. O porém é que esses produtos eram unicamente americanos. Só recentemente a gigante do streaming vem colocando em seu catálogo filmes e séries de outras nacionalidades como é o caso desta produção tailandesa “O Terceiro Olho” (The 3rd Eye).

A trama segue duas irmãs, que ficaram recentemente órfãs e que tem de recomeçar a vida. O problema é que voltarão a morar na casa de sua infância, onde a mais nova que tem o dom de sentir e ver coisas do além testemunhando a aparição de assombrações. Infelizmente não vai ser dessa vez que os fantasmas as deixarão em paz.

Como se pode notar, o filme não traz nada muito inovador, mas a execução e as particularidades de sua visão sobre o assunto poderiam render algo no mínimo diferente. No entanto, só o que vemos aqui é a repetição da fórmula ao extremo. O diretor tenta emular o estilo James Wan todo momento, mas o que consegue reproduzir são closes dramáticos de novelas mexicanas. A direção de atores é péssima e a atriz principal não ajuda, fazendo caras e bocas para passar uma sensação de medo, ironicamente tendo um efeito contrário.

Os fantasmas também não ajudam e suas aparições na maior parte das vezes são genéricas e aleatórias. Falando da caracterização dos mesmos, eles são exagerados e lotados de sangue ou alguma parte mutilada. Isso com certeza foi feito no intuito de chocar, mas causa riso involuntário e nos lembra monstros da Noite do Terror do Playcenter.

O roteiro é uma colcha de retalhos que além dos filmes recentes como “Invocação do Mal”, copia na cara dura personagens e boa parte da trama de “Sobrenatural”, dois filmes de James Wan. Misture aí também “O Exorcista”, “Ghost – Do outro Lado da Vida” e algum plot-twist de Shayamalan. Para não dizer que o plágio ficou só pros americanos, temos aqui uma família de fantasmas malignos diretamente retirada da franquia “O Grito”, com direito a uma Kayako e Toshio genêricos.

A dica na verdade fica para você se afastar dessa bomba que tinha uma possibilidade real de sair do mar de previsibilidade e dar ao público uma visão diferente desse tipo de história… Mas aí ele preferiu ser uma versão ruim dos filmes citados.

Escala de tocância de terror:

Diretor: Rocky Soraya
Roteiro: Riheam Junianti, Rocky Soraya
Elenco: Jessica Mila, Bianca Hello,Denny Sumargo
País de origem: Tailândia
Ano de lançamento: 2017

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.