RESENHA: Operação Overlord (2018)

[Por Jarmeson de Lima]

Convenhamos que filmes de guerra e filmes de terror não são lá muito populares. Às vezes um ou outro fura a bolha de público e passam a ter sucesso, mas não é sempre que isso acontece. Assim sendo, imagine que “Operação Overlord” foi pensado para ser uma mistura de “O Resgate do Soldado Ryan” com “Resident Evil“.

Mas não se assuste com esta minha forçadinha de barra. O novo longa produzido por J.J. Abrahams chega realmente junto e quer unir os elementos em comum dos horrores da guerra com a profundidade dramática de alguns filmes de terror mais sérios. É uma pena que seu desempenho nas bilheterias não tenha sido tudo o que se espera, mas se você não liga pra isso, terá uma oportunidade de ver uma super produção que não deixa a dever.

Na sua primeira metade, “Operação Overlord” se assemelha a um filme ‘comum’ sobre a II Guerra Mundial em um contexto historicamente próximo ao “Dia D”, ou seja, a retomada do continente europeu pelo exército norte-americano junto aos franceses. Nisso ae temos personagens que encarnam bem os soldados prontos para morrer em uma missão e os que não queriam de forma alguma estar ali. Sendo que ‘guerra é guerra’ e os ataques inimigos não mandam recado e nem escolhem alvo.

E como é um filme de guerra, os militares tanto podem ser mocinhos quanto vilões. Só muda o lado. Pra quem estudou história, neste caso, sabe que os vilões obviamente são os nazistas, mas o longa aqui não tenta reescrever a narrativa como tentou Tarantino em “Bastardos Inglórios“. A diferença é só um tom acima nas experiências bizarras de uma tropa acompanhada por um cientista alemão do Reich.

Temos em “Operação Overlord” um discípulo do mal de Josef Mengele ainda mais sem escrúpulos (será?) que captura aldeões franceses como cobaias para experiências de pós-morte. Bem, é nesta hora que você percebe que está adentrando em um filme de terror e que a guerra lá fora se tornou algo menor.

Com um elenco semi-conhecido e um ritmo próprio que não apela para jumpscares e uma edição frenética, o filme de Julius Avery se sai bem como filme de zumbi, ficção científica e trama bélica. Destaque para as cenas de ação e para os efeitos práticos que intensificam o gore em um filme mais ousado do que a média que vai para os cinemas.

Escala de tocância de terror:

Direção: Julius Avery
Roteiro: Billy Ray e Mark L. Smith
Elenco: Jovan Adepo, Wyatt Russell, Mathilde Ollivier e Pilou Asbæk
Ano de lançamento: 2018
País de origem: EUA

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.