RESENHA: Parque do Inferno (2018)

[Por Felipe Macedo]

Parques de diversão sempre estiveram em minha memória afetiva. Lembro como era divertido ir no carrinho bate-bate e na montanha-russa, mas o que mais gostava era a ida ao Trem Fantasma e o famigerado Castelo dos Horrores do saudoso Playcenter/Mirabilândia alguns anos depois.

A adrenalina e a sensação de me sentir parte de uma trama de terror sempre tiveram um efeito muito grande em mim. Mas e se a fantasia e a realidade se chocassem e uma ameça real se fizesse presente num lugar como esse? A trama de “Parque do Inferno” segue essa premissa. E é assim que Natalie e seus amigos logo descobrirão.

Um parque temático chamado Hell Fest, que só abre na época de Halloween atrai os jovens para uma noite de sustos e diversão. Sendo que para esse grupo específico, isso se tornará uma luta pela sobrevivência. Simplesmente porque um assassino mascarado resolve fazer deles seu alvo da noite, primeiro assustando, para depois caçá-los um por um. A vítima preferencial, claro, é Natalie, que logo descobriremos ser a ‘final girl’.

O filme segue à risca a cartilha do slasher e mostra Natalie e seus amigos como pedaços de carne que serão destroçados pelo vilão. Para quem curte slashers dos anos 80 e 90 isso é um prato cheio. O roteiro é previsível, mas não esquece do fator diversão.

Ele não chega a ser inovador ou pretensioso, algo que não posso dizer do no novo Halloween (2018), por exemplo. O clímax me fez lembrar um pouco do clássico de Tobe Hooper “Pague Para Entrar, Reze Para Sair” (1981) e conseguiu me deixar na ponta da cadeira, mesmo tendo quase certeza do que ia acontecer.

A direção também não recicla nada, entregando sustos e momentos gore como nos velhos tempos. E como nos melhores slashers de antigamente, tudo vira arma nas mãos do vilão. Falando nele, seu visual pode parecer genérico e realmente é um pouco, mas tem uma justificativa para isso.

O elenco é formado por carinhas jovens vindas de seriados e estão lá por serem bonitos e para soltar o gogó nas cenas de perseguição, outra coisa que sempre foi marca desse tipo de filme. É por isso que digo que o longa é para quem curte slasher e quer assistir algo descompromissado. Mas informo logo que o passeio no parque valeu a pena.

Escala de tocância de terror:

Diretor: Gregory Plotkin
Roteiro: Seth M. Sherwood, Blair Butler
Elenco: Amy Forsyth, Reign Edwards, Tony Todd e outros
País de origem: EUA
Ano de lançamento: 2018

3 comentários sobre “RESENHA: Parque do Inferno (2018)

  1. Olá, esse novos slaschers que estão surgindo n chegam de perto com os do começo dos anos 80. Vou conferir esse na segunda. Felipe, infelizmente tiraram do Google o acervo digital do Diário de Pernambuco . Uma pena mesmo pq eu estava curtindo as velhas edições das décadas passadas em PDF.

    Curtir

Deixe uma resposta para Wagner Andrade Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.