RESENHA: Escape Room (2019)

[Por Jarmeson de Lima]

“Escape Room” se inspira em uma nova febre de games da vida real que está rolando por aí. Para quem não está familiarizado com isto, essas espécies de gincanas são do tipo em que pessoas isoladas em um local tem que achar pistas em um determinado tempo para escapar e vencer o jogo. No Brasil, o mais próximo que chegamos disso é assistindo a algumas “Provas do Líder” do BBB.

Em tese, tudo é bem inofensivo e apenas testa a percepção e sagacidade dos participantes com enigmas e códigos a serem desvendados em troca de prêmios. Até que um dia algo dá errado… e pra infelicidade deste longa, rolou uma tragédia real alguns meses antes de seu lançamento, com a morte acidental de cinco adolescentes na Polônia ano passado em um desses espaços. O caso foi investigado pela polícia e desde então esse tipo de brincadeira tem sido rigorosamente mais controlada, evitando que se façam essas experiências imersivas em lugares abandonados.

Bem, em “Escape Room”, o local não seria um problema, uma vez que cada cenário é estritamente bem cuidado com uma caprichada direção de arte. O único ‘senão’ é que estas salas são preparadas justamente para evitar que alguém saia de lá vivo em uma engenhosidade tipicamente exagerada de ficções de terror. Foi assim que para não serem acusados de explorar a fatalidade real, os produtores adiaram o lançamento do filme para o começo deste ano pelo mundo, chegando no Brasil só agora.

Na trama em questão, vemos seis desconhecidos que foram chamados a fazer parte deste game visando alcançar um prêmio de US$ 10 mil. Um valor consideravelmente baixo se formos comparar com outras premiações por aí… mas como os participantes não sabem que suas vidas correm risco, eles topam o desafio. Alguns destes personagens são pessoas comuns em vidas rotineiras, mas que possuem traumas do passado que vão sendo revelados em situações chave.

Cada um recebe um convite, supostamente enviado por um amigo, e vão até o lugar indicado onde acontecem estes desafios. É aí que a aventura começa! Com salas fechadas que possuem diferentes obstáculos e armadilhas com apenas uma saída, “Escape Room” lembra um pouco o criativo “Cubo“, lançado há 22 anos. Mas para quem não lembra, o longa canadense mostrava uma versão bem mais aterrorizante do comportamento de estranhos confinados que lutam pela sobrevivência.

Dirigido por Adam Robitel, o mesmo que fez “Sobrenatural: A Última Chave” e “The Talking of Deborah Logan“, o filme não se arrisca muito além do script. Não fossem as previsíveis mortes, “Escape Room” pareceria um quadro de uma hora e meia do Caldeirão do Huck ou uma versão mais caprichada de um reality desses do Discovery.

Escala de tocância de terror:

Direção: Adam Robitel
Roteiro: Bragi F. Schut e Maria Melnik
Elenco: Taylor Russell, Logan Miller, Jay Ellis, Deborah Ann Woll
Origem: EUA
Ano: 2019

Um comentário sobre “RESENHA: Escape Room (2019)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.