RESENHA: The Perfection (2019)

[Por Tati Regis]*

É engraçado como a gente reage quando fica sabendo que uma produção nova do gênero horror acabou de entrar no catálogo da Netflix. Um misto de desconfiança e curiosidade nos invade. Embora tenha sido indicado por amigos de confiança, comecei a ver The Perfection com um pé atrás. Principalmente depois de ler a sinopse.

Charlotte (Allison Williams, de Corra!), uma violoncelista precoce, teve que interromper sua promissora carreira pra cuidar da mãe doente. Após dez anos, sua mãe morre e Charlotte volta pra antiga escola e reencontra seu professor, Anton (Steven Weber). Anton agora tem uma nova pupila, Lizzie (Logan Browning, de Dear White People). As duas se conhecem e tudo caminha para uma relação super saudável e produtiva. Tudo que Anton queria. Será? É, pois é, nunca confie na sinopse.

Charlotte, Lizzie e Anton, cada um com seus interesses, faz dessa produção uma trama recheada de vingança, obsessão, suspense, drama, tensão, bizarrices, sangue e reviravoltas. São 90 minutos de filme divididos em quatro capítulos. Recurso muito bacana, por sinal, que faz com que o filme tome várias direções onde cada capítulo teu seu próprio plot, digamos assim.

Trompe-l’oeil é uma técnica artística que, com truques de perspectiva, cria uma ilusão ótica que faz com que formas de duas dimensões aparentem possuir três dimensões. Provém de uma expressão em língua francesa que significa “enganar o olho” sendo usada principalmente em pintura ou arquitetura. (Fonte: Wikipedia). E por que diabos no meio da resenha de um filme, me vem Tati falar de pintura e arte? Porque meus amigos, The Perfection é o que podemos chamar literalmente de engana-olhos.

É uma trama que nos leva a caminhos sinuosos, cheio de curvas e armadilhas. A produção é até bem acima da média do que se costuma ter na Netflix, mas incomoda o exagero das explicações na medida em que os segredos estão sendo revelados. Isso pode levar o espectador mais atento a manjar e antever algumas situações que poderiam facilmente funcionar como elemento surpresa na trama.

Mas se a gente for encrencar com alguns vacilos da história, a gente deixa de aproveitar um baita filmão. E acaba percebendo que aquele vacilo, no final de tudo, é só um mero detalhe.

O elenco escalado ajuda bastante no crescimento do longa. Não tenho do que reclamar. Sustenta com vigor e convence. Charlotte é complexa e imprevisível. Lizzie é ousada. Ao contar mais sobre elas, corremos o risco de soltar spoilers e não queremos isso aqui, não é mesmo? Aliás, contar qualquer coisa mais sobre The Perfection é como cair de paraquedas num campo minado de spoilers. Quanto menos o espectador souber, melhor vai ser sua experiência com a história.

Só queria destacar aqui o final que, mesmo com pequenos furos, ainda assim consegue ser interessante, brutal, insano e nos faz questionar se todo sacrifício vale realmente a pena. Ou se os fins justificam os meios. Ao término deste filme, responda se for capaz. E cuidado com o Trompe-l’oeil.

Escala de tocância de terror:

Direção: Richard Shepard
Roteiro: Eric C. Charmelo, Richard Sheperd e Nicole Snyder
Elenco: Allison Williams, Logan Browning, Steven Weber e Alaina Huffman
Ano de lançamento: 2019
País de origem: Canada

* Especial para o Toca o Terror

Um comentário sobre “RESENHA: The Perfection (2019)

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.