RESENHA: Obsessão (2019)

[Por Geraldo de Fraga]

A fixação por alguém, seja por motivos amorosos ou não, já rendeu inúmeros filmes em Hollywood. Só para citar alguns cultuados, vamos lembrar de Atração Fatal, Mulher Solteira Procura, Encaixotando Helena e Cabo do Medo. Por isso, a maior curiosidade que cerca Obsessão (título pra lá de genérico de Greta) é saber o que nosso querido Neil Jordan traria de novo ao gênero. A resposta demora alguns minutos, mas vem: não muito.

O filme até começa interessante. Frances McCullen (Chloë Grace Moretz) é uma jovem que acabou de se mudar para Manhattan, mas ao contrário da sua colega de quarto, não é muito adepta da vida noturna “novaiorquine” e não tem muitos amigos. Além disso, ela perdeu a mãe recentemente e não está se dando muito bem com o pai.

Até que, em um belo dia, Frances encontra uma bolsa perdida no metrô e decide procurar a dona. É quando ela conhece a simpática Greta (Isabelle Huppert), uma senhora francesa, que vive sozinha, após a filha ter ido estudar em Paris. Frances então desenvolve uma atração quase materna por ela e dá início a uma relação de amizade, na qual duas pessoas solitárias se completam.

Tudo muda quando a garota descobre que Greta nunca perdeu a bolsa, e sim a deixou de propósito no metrô, afim de que alguém fosse devolvê-la. Assustada, Frances decide cortar todos os laços com a sua amiga. É aí que entra o ponto de virada da personagem de Isabelle Huppert, que começa a perseguir sua ex best friend, primeiro mostrando carência e depois se comportando de forma violenta.

Nessa primeira metade do filme, Neil Jordan conduz a história de uma forma, se não genial, pelo menos competente. A mudança de personalidade de Greta convence, principalmente pela atuação de Huppert, que dispensa comentários. Mas ao mesmo tempo em que a vilã se encontra, o roteiro se perde.

Entra na trama aquela personagem, que chega do nada, mas que já revela vários segredos. A história começa a deixar um monte de buracos, como a falta de informação de polícia sobre pessoas que ACABARAM DE SER PRESAS (!). Até o clássico detetive particular atrapalhado entra em cena.

Obsessão poderia render mais, por conta do elenco e de Neil Jordan na cadeira de diretor, mas acaba como um suspense água com açúcar bem esquecível. Daqui a alguns anos, passa no Supercine, dublado, depois de Altas Horas, e não vai chamar muito a atenção.

Título original: Greta
Direção: Neil Jordan
Roteiro: Ray Wright e Neil Jordan
Elenco: Chloë Grace Moretz, Isabelle Huppert e Maika Monroe
Origem: EUA/Irlanda

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.