SÉRIE: AHS 1984 (2019)

[Por Jarmeson de Lima]

Eis que chegamos à nona temporada de American Horror Story, série que já fez temporadas em casa assombrada, hospício, covil de bruxas, hotel sinistro, circo de horrores, reality show, culto e concedeu Emmys a Jessica Lange e Kathy Bates. Isso claro sem falar de um elenco recorrente e que depois despontou em outras produções.

Bem, em “AHS 1984“, não temos até agora a presença das já citadas atrizes premiadas, mas um rosto conhecido da série é quem está à frente como protagonista: Emma Roberts. Depois de aparecer em temporadas esporádicas e ser uma das “Scream Queens” da série de mesmo nome, produzida também por Ryan Murphy, Roberts encarna a jovem Brooke Thompson que enfrenta apuros no Acampamento Redwood.

O contexto é aquele que outros filmes e séries estão se esmerando em reproduzir: os anos 80. Em termos de ‘homenagem’, já sabemos que esta nova temporada quer recriar o clima de slashers e de filmes de acampamento como já foi feito em “Verão de 84” e “Terror nos Bastidores“.

A estética aqui mais uma vez precede o roteiro e facilmente você pode se enebriar com o visual e se esquecer da história. As referências e easter-eggs pulam da tela em cada cena e mais uma vez mostra que em termos de ‘reconstituição de época’ a dupla Murphy e Falchuk sabe por onde pisa.

De um ‘prequel’ que apresenta mortes violentas por um misterioso assassino em 1970, passamos para acompanhar em um pulo o cotidiano de um outro grupo jovem em 1984. E é nesta época conturbada que rondam boatos que um serial killer está agindo no verão da Costa Oeste.

Como a jovem Brooke sofreu uma tentativa de assalto e invasão domiciliar, os amigos tentam confortá-la convencendo-a a irem juntos a um acampamento para se afastar do meliante à solta. A partir daí já podem se preparar para avisos inesperados de um funcionário de posto de gasolina de beira de estrada e mais gente estranha que aparece no caminho. A originalidade, é claro, não é bem o forte de American Horror Story que usa e abusa dos previsíveis clichês do gênero.

O problema recorrente em AHS e em outras séries similares de horror é que muitas vezes a trama não rende o suficiente para tantos episódios. Se fosse só um telefilme ou minissérie curtinha, podia funcionar mais. Além disso, muitas vezes o desenrolar dos episódios nas temporadas de AHS acabam mudando completamente o rumo da história pra coisas até sem nexo. Mas vai que dá certo desta vez, né?! Aguardemos pra ver o que acontece…

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.