RESENHA: Morto não Fala (2019)

[Por Geraldo de Fraga]

Há um grande desafio para qualquer filme brasileiro de horror que se passe na periferia de uma metrópole. Nossos subúrbios não são como os americanos ou os ingleses, retratados sempre com aquele ar de tranquilidade e isolamento. As “quebradas” são um amontoado de pessoas e casas humildes, com ruas estreitas e, quase sempre, territórios violentos.

O primeiro ponto positivo de Morto não Fala (2019), longa de Dennison Ramalho, é a São Paulo sem glamour que vemos na tela, mais precisamente o bairro de Vila Gustavo. O diretor e roteirista soube aproveitar esse universo, se valendo da geografia, da “malandragem” e dos dramas da classe média baixa para construir um cenário sem elementos exóticos ou tropicais. Algo que ele já tinha feito no seu curta Ninjas, de 2010.

Em Morto não Fala, Stênio (Daniel de Oliveira) é um funcionário do IML que tem a habilidade de conversar com cadáveres. Deitados na mesa de autópsia, todos proferem suas últimas palavras a ele, seja um pedido de ajuda ou uma confissão. Alheio ao que levou aquelas pessoas à morte, o protagonista não faz nenhum julgamento de valor, se mantendo imparcial sempre.

A guinada no roteiro acontece justamente quando ele utiliza uma informação do além para resolver um problema pessoal. No momento em que o mundo dos desencarnados se conecta ao dos vivos, Morto não Fala nos apresenta uma história de vingança, com alguns dos melhores elementos de contos de assombração.

A aptidão sobrenatural de Stênio é outro detalhe interessante. Ele precisa estar frente a frente com o morto para que consiga se comunicar. Esse detalhe rende ótimas cenas, mesmo que a mistura de efeitos práticos e CGI venha dividindo opiniões. A ausência de explicações sobre esse “dom” serve ainda para dar agilidade à narrativa.

O filme também não tem medo de mostrar violência, particularmente nas cenas no necrotério. Com diálogos pouco explicativos e sem formalidades, o elenco consegue passar credibilidade nas situações. Daniel Oliveira está muito bem no papel clichê de fracassado que paga caro por decisões erradas.

Mas, como nem tudo são flores, paira sobre a história a sensação de que alguns coadjuvantes podiam ser mais aproveitados, tanto os vivos, como os mortos. Mesmo assim, Morto não Fala é um dos melhores exemplares do gênero no ano

Escala de tocância de terror:

Direção: Dennison Ramalho
Roteiro: Dennison Ramalho e Cláudia Jouvin (baseado no conto de Marco de Castro)
Elenco: Daniel de Oliveira, Fabiula Nascimento e Bianca Comparato
Ano de lançamento: 2019
Origem: Brasil

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.