RESENHA: Medo Profundo – O Segundo Ataque

[Por Felipe Macedo]

Aquilo que vem do fundo dos mares e dos rios sempre causou fascínio e medo no público. Os produtores de cinema sabendo disso lotaram salas de exibição e locadoras com obras ameaçadoras com criaturas das profundezas. Com o sucesso esmagador de Tubarão (1975), vieram incontáveis versões e variações do tema. Nos últimos anos, esse tipo de filme estava meio esquecido, mas com o sucesso de MegaTubarão (2018) e o primeiro Medo Profundo (2017) parece que o interesse dos produtores voltou, dando até sequência a este último citado.

A trama acompanha um grupo de amigas teens que mora num paraíso litorâneo no México e que resolve desobedecer seus pais partindo em segredo para uma aventura. As garotas mergulham para ver templos submersos de uma civilização antiga, mas para infelicidade delas, não estarão sozinhas. Tubarões brancos no local se adaptaram a escuridão e agora presas num labirinto de horror, elas terão de enfrentar as feras e encontrar uma saída se quiserem viver.

Eu queria muito, muito ter gostado desse filme. Amo filmes de tubarão e gostei muito do original, mas esse aqui é o típico exemplo da sequência mal planejada. Não sabendo como conduzir a história, o diretor e roteirista se rendem aos clichês e à megalomania. Tudo aqui é bem mais exagerado e os tubarões deixam de ser animais para se tornar monstros. As personagens encarnam o clichê máximo deste tipo de produção – vão desde a piriguete até a mocinha tímida e vitima de bullying. E ficam nisso… Não existe desenvolvimento e nem empatia para que a gente torça por elas. As atrizes também não ajudam e parecem que foram escolhidas pelo fato de algumas serem filhas de Jamie Foxx e Silvester Stallone.

O cenário do templo foi mega desperdiçado. Seus corredores escuros com visual macabro são pouco explorados, já que o foco é o jumpscare safado e não a construção de tensão. Os vilões parecem ter ciência do que acontece e parecem adorar dar sustos nas mocinhas. Assim o filme vai se arrastando até que a projeção esteja no meio e os ataques mortais comecem. Esses ataques são recriações das mortes que acontecem em Do Fundo do Mar (1999), chegando até a ter um discurso motivacional a la Samuel L. Jackson, que aqui ganha as formas de John Cobbert numa raápida participação. Os efeitos também não são lá essas coisas e teve momentos que pensei estar vendo um filme do canal SyFy.

A coisa mais assustadora é saber que o diretor e roteirista do original fez essa sequência sem mostrar um terço do vigor exibido anteriormente. Com certeza ele só topou pela grana entregando qualquer coisa como produto final. E eu ter criticado tanto assim faz parecer que o filme é uma bomba… na verdade ele meio que é, mas também é perfeitamente assistível se baixar suas expectativas. A maior decepção mesmo vem do fato do primeiro ser tão bom e essa sequência não ser mais que um horror teen mequetrefe.

Escala de tocância de terror:

Direção: Johannes Roberts
Roteiro: Ernest Riera e Johannes Roberts
Elenco: Sophie Nélisse, Corinne Foxx, Sistine Rose Stalonne e outros
Ano de lançamento: 2019

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.