DICA DA SEMANA: “Mensageiro da Morte” (1996)

mensageiro-vhs

[Por Osvaldo Neto]

Foi no ano de 1996 que William Lustig (MANIAC COP) lançou aquele que seria o seu último filme na direção. MENSAGEIRO DA MORTE (Uncle Sam) sinaliza um período no cinema de gênero onde muitas produções já começavam a perder a sua vez nos cinemas, sendo relegadas ao lançamento direto em vídeo. Isso também fez com que outros nomes ilustres deixassem aos poucos de se interessar por dirigir. É o caso de Larry Cohen – por acaso, roteirista deste filme em questão – que também teve seu último trabalho como diretor lançado no mesmo ano: o blaxploitation tardio HOT CITY – JUSTICEIROS DE RUA. Continuar lendo

RESENHA: Brinquedo Assassino (2019)

[Por Osvaldo Neto]

Antes de conversar com o leitor do Toca o Terror sobre o novo Brinquedo Assassino em si, o rapaz que vos escreve gostaria de convidá-los a se lembrar de um passado recente. Um passado em que as redes sociais poderiam até existir, mas não eram tão invasivas e não chegavam a criar ou destruir tantas expectativas quanto ao consumo de um produto audiovisual (seja filme ou série de TV) que ainda será lançado daqui a uns bons meses. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Sinfonia para o Diabo (1995)

sinfonia-vhs
[Por Osvaldo Neto]

Em 1995, o canal Showtime encomendou uma série de telefilmes ‘classe B’ a ninguém menos que Roger Corman e seu pupilo Mike Elliott, através da produtora New Horizons. Diz-se que esse conjunto de produções, simplesmente intitulado de “Roger Corman Presents”, teve um tempo de seis meses de realização com um total de 13 longas que tiveram suas filmagens realizadas tanto em Los Angeles (EUA), quanto em Moscou (na Rússia) ou Manila (nas Filipinas). Houve uma 2ª leva de filmes para o Showtime depois, o que é um indicativo da boa audiência que o projeto conseguiu. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Trilogia Macabra (1977)

[Por Osvaldo Neto]

Um ano depois do grande sucesso de TRILOGIA DO TERROR (Trilogy of Terror, 1976), Dan Curtis voltou a divertir e a aterrorizar os telespectadores com mais outra antologia. TRILOGIA MACABRA (Dead of Night, 1977) retoma a parceria de Curtis com o autor e roteirista Richard Matheson nas três histórias fantásticas contadas aqui. Mas ao contrário do que muitos textos e resenhas desinformam até hoje, os três segmentos do filme não são de Matheson e, sim, roteirizados por ele. Continuar lendo

DVD: Coleção Estúdio Hammer – Vol. 2


[Por Osvaldo Neto]

Para o fã de terror, é fato que o estúdio Hammer dispensa maiores apresentações: a produtora britânica mostrou-se decisiva na revitalização do gênero durante o final dos anos 50 e grande parte dos anos 60. Foi a Hammer que fez com que qualquer história envolvendo os monstros clássicos como Drácula, a criatura de Frankenstein e a Múmia não fossem mais vistas da mesma maneira. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Crime na Mansão Sombria (1940)

[Por Osvaldo Neto]

O ator Tod Slaughter (1885-1956) ganhou fama através de suas perfomances no teatro. Seu sucesso veio em grande parte pelas suas interpretações de maníacos e vilões em melodramas vitorianos. Mas foi sua atuação como Sweeney Todd – o famoso barbeiro assassino – que se tornaria um de seus maiores sucessos, gerando um filme lançado em 1936 intitulado O DIABÓLICO BARBEIRO DE LONDRES no qual o personagem foi interpretado novamente por Slaughter no cinema. Exatamente o que aconteceu a Bela Lugosi quando encarnou Drácula no teatro e também na tela grande. Continuar lendo

RESENHA: Halloween (2018)

[Por Osvaldo Neto]

HALLOWEEN faz parte de uma tendência estranha no atual cinema comercial hollywoodiano que também é observada em casos como no recente O PREDADOR (2018) e na versão de CAÇA-FANTASMAS (2016), toda estrelada por um elenco feminino. São todos exemplares de franquias estabelecidas e de sucesso comprovado que parecem existir, primeiramente, para um público que não tem nenhuma familiaridade com os filmes mais antigos. Há também uma preocupação de não se ter um número no título, indicando que esse novo longa não seja alguma sequência ou ‘prequel’. Continuar lendo