BUSCA: Resultados de pesquisa

google_dracula_n

Nestes meses com o blog na Internet, temos recebido visitantes de várias partes do Brasil e do mundo buscando assuntos dos mais diversos e atraídos tanto por nosso podcast, quanto pelas notícias e resenhas de filmes que fizemos. E graças ao Google, algumas pessoas chegaram até aqui por terem procurado algumas coisas como:

resumo do filme drácula de bram stoker
101 casos para ter medo
filmes de zumbis comedia
miriam giovanelli cenas
blu ray hellraiser flashstar
filme sobre as bruxas de salem 2013
milhouse sorrindo
podcast sobre o quadrinho o monstro do pantano
heather largenkamp e jonny depp
lamber olho mangá
conto homem morto
mama 2013 resenha

Pra facilitar, colocamos links nestes termos de busca. Só que esta pergunta aqui, a gente não sabe responder. Alguém pode ajudar?

– qual o nome do filme que alienigenas invisiveis quando tocam nas pessoas as pessoas viram pó (???)

E sabiam que Naomi Grossmann (a Pepper de American Horror Story: Asylum) gosta da gente?
http://www.naomigrossman.net/Pepper_Links.html

MATÉRIA: Diario de Pernambuco – 19/04/2013

Diario_Queops_n

Refilmagem de Evil dead estreia nesta sexta no Recife
Filme carrega nos detalhes nojentos para chocar o telespectador
Júlio Cavani – Diario de Pernambuco

“Tudo vai ficar bem”, diz um garoto após ver a irmã jogar água fervente no próprio rosto e sofrer queimaduras de terceiro grau. “Tudo vai ficar bem? Não sei se vocês notaram, mas tudo está ficando pior a cada segundo”, responde seu amigo. Em filmes como A morte do demônio, o público sabe que praticamente todos os personagens vão morrer e não importa se isso é previsível, pois a graça é acompanhar como tudo acontecerá.

A morte do demônio é a refilmagem de um clássico recente do cinema de terror, lançado em 1981 e dirigido por Sam Raimi. O original foi filmado com US$ 500 mil. A nova produção, com direção de Fede Alvarez, custou US$ 14 milhões, mas, mesmo assim, tenta recriar o estilo da primeira. A essência da história é a mesma, mas a embalagem de luxo inevitavelmente tira parte do clima de medo e torna tudo mais artificial.

Apesar da superprodução, houve uma preocupação em valorizar maquiagens e efeitos especiais artesanais e físicos, sem computação gráfica. Movimentos de câmera e luz (cheios de referências à obra original) também seguem princípios cinematográficos elementares, sem exageros digitais. Isso deixa o filme mais interessante do que a maioria das produções atuais do gênero. O resultado é nojento e suculento (entrar o cinema com comidas e bebidas pode ser uma experiência indigesta). Os sons também reaproveitam ideias desenvolvidas em 1981.

Ambos o filmes mostram um livro escondido em uma casa no meio de uma floresta. Quem o encontrar é castigado por uma maldição que despertará demônios e ninguém sairá vivo. Na nova versão, as páginas parecem ter sido calculadamente desenhadas por um designer gráfico modernoso, enquanto no antigo o visual era bem mais precário, macabro, autêntico e verossímil. Esse detalhe simboliza a diferença geral entre os dois projetos.

MATÉRIA: Folha de Pernambuco – 23/04/2013

Empreendedorismo digital: de uma ideia simples para o mundo
Por Thulio Falcão, da Folha de Pernambuco

Foto: Nathália Bormann

De uma frustração com pessoas que não conheciam Darth Vader, Coringa e outros personagens, o consultor de Tecnologia da Informação (T.I) Rafael Oliveira teve uma ideia de divulgar a cultura nerd no Estado e criou o blog PernambucoNerd. Já o jornalista Geraldo de Fraga conversava e trocava sugestões sobre séries, filmes e quadrinhos relacionados ao gênero terror com amigos, até que um deles comentou sobre realizar um podcast* sobre o tema, o Toca o Terror. Sucessos na internet por utilizar redes sociais para divulgação do conteúdo, essas ideias são exemplos de empreendedorismo digital, que tem atraído cada vez mais pessoas a utilizarem plataformas como meio de negócio.

“A internet hoje, em sua configuração web 2.0, permite que qualquer usuário seja não apenas leitor, mas também produtor de conteúdo e isso, obviamente, alterou significantemente o modelo de negócios da internet. Se antes dessa revolução os produtores de conteúdo deveriam dominar em algum grau as linguagens de programação como o HTML, atualmente tal habilidade não é mais necessária”, afirma o doutor em Gestão Organizacional pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Rafael Lucian. O especialista comenta ainda sobre as redes sociais que se tornaram uma forma de ganhar dinheiro. “Pela facilidade de produção de conteúdo e divulgação, pode-se gerar lucro de forma direta ou indireta. A primeira refere-se à remuneração pelo próprio produto virtual; indireta quando o objetivo é se promover para ser remunerado por serviços contratados devido ao que se fez na internet”.

O PernambucoNerd tem “dois anos, quatro meses e alguns dias”, brinca Rafael, que, logo no início, com dois meses e meio de blog, decidiu captar recursos para realizar suas atividades nerd. “Eu iniciei com o Dia do Orgulho Nerd e o Dia da Toalha. No primeiro ano, realizei o evento na Livraria Saraiva e atraiu 120 pessoas. No ano seguinte, promovi na Livraria Cultura. No último evento, tivemos 600 confirmações pelo Facebook e realizei no Paço Alfândega por conta do espaço”, relata. Hoje, o consultor criou o Aliança de Cultura Pop, atividade empreendedora que leva para fora do Brasil registros de quadrinhos de Pernambuco e do País.

Para dar certo, todo empreendimento digital precisa de planejamento e dedicação. “Enquanto profissionais se dedicam em tempo integral à produção de conteúdo, os que fazem por hobby dispõem apenas de horas livres. Para estes, obviamente a chance do projeto ser bem sucedido é cada vez menor, exceto se houver uma excelente ideia que sustente o conteúdo”, explica o especialista Rafael Lucian. De acordo com ele, empreender em mídia social é “produzir conteúdo de qualidade e atrair a atenção do público alvo para gerar acessos”.

A divulgação do podcast Toca o Terror acontece de forma massiva. Além da página no Facebook e perfil no Twitter, os integrantes também divulgam em portais especializados no gênero. “A gente tenta passar para mais pessoas, divulgar em outros perfis do Twitter, em fanpages* e vamos passando”, comenta o jornalista Geraldo de Fraga. Sobre o sucesso do Toca o Terror, o diferencial é o humor. “O terror é um estilo que mais tem produção por ano. São em média 300 filmes produzidos, bons ou ruins, com atores conhecidos ou desconhecidos. No podcast, a gente tenta discutir o tema de forma bem humorada, indicar, passar informação tirando onda”.

Fonte: Folha de Pernambuco