DICA DA SEMANA: Sorority House Massacre II (1990)

[Por Felipe Macedo]

Os slasher movies e suas intermináveis sequências são tão parecidos que às vezes a gente se confunde com o título, quando não é mesmo essa a intenção dos produtores. Para cada filme que se tornou um clássico conhecido, existe pelo menos mais três não tão famosos assim com um baixo custo de produção e de qualidade questionável. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Sinfonia para o Diabo (1995)

sinfonia-vhs
[Por Osvaldo Neto]

Em 1995, o canal Showtime encomendou uma série de telefilmes ‘classe B’ a ninguém menos que Roger Corman e seu pupilo Mike Elliott, através da produtora New Horizons. Diz-se que esse conjunto de produções, simplesmente intitulado de “Roger Corman Presents”, teve um tempo de seis meses de realização com um total de 13 longas que tiveram suas filmagens realizadas tanto em Los Angeles (EUA), quanto em Moscou (na Rússia) ou Manila (nas Filipinas). Houve uma 2ª leva de filmes para o Showtime depois, o que é um indicativo da boa audiência que o projeto conseguiu. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Telefilmes de Horror

[Por Jota Bosco]

Minha dica da semana, aproveitando uma recente pesquisa que fizemos para o programa Toca o Terror sobre filmes feitos para a TV, são os subestimados “telefilmes”. O amigo Geraldo de Fraga achou uma lista no YouTube repleta de belezuras feitas nos anos 70 que, entre altos e baixos, poderão servir para tirar um pouco desse ranço que as pessoas têm com tais obras. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Baile de Formatura (1987)

[Por Felipe Macedo]

No decorrer da decada de 80, os slashers dominaram os lançamentos de terror e mesmo com seu eventual desgaste, filmes originais e sequências eram lançados aos montes. A dica da semana está no YouTube e é uma “sequência” de “A Morte convida para Dançar”(1980). Sendo que do original “Prom Night”, ele só compartilha o título e sua ambientação.

Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Guerra dos Monstros (2015)

[Por Jarmeson de Lima]

Nesta semana, a dica vem do catálogo da Amazon Prime. É uma daquelas comédias de terror que vem na medida certa: não se leva muito a sério mas também não resvala no escracho puro. “Guerra dos Monstros“, título nacional dado para “Freaks of Nature” tenta traduzir o que seria esta história insana que reúne vampiros, zumbis e humanos em uma pequena cidade norte-americana convivendo pacificamente.
Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Trilogia Macabra (1977)

[Por Osvaldo Neto]

Um ano depois do grande sucesso de TRILOGIA DO TERROR (Trilogy of Terror, 1976), Dan Curtis voltou a divertir e a aterrorizar os telespectadores com mais outra antologia. TRILOGIA MACABRA (Dead of Night, 1977) retoma a parceria de Curtis com o autor e roteirista Richard Matheson nas três histórias fantásticas contadas aqui. Mas ao contrário do que muitos textos e resenhas desinformam até hoje, os três segmentos do filme não são de Matheson e, sim, roteirizados por ele. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: A Marca do Homem Lobo (1968)

[Por Jota Bosco]

O horror espanhol, que hoje é cultuado pela realização de obras como “[REC]” e inspiração de outras como “O Orfanato” e “Os Outros” já viveu um “Ciclo de Ouro” durante os anos 60 e setenta com obras de baixo orçamento focadas em distribuição internacional. Além de ser o pontapé inicial deste movimento, “A Marca do Homem Lobo”, dirigido por Enrique López Eguiluz, é o primeiro da série de filmes de lobisomem protagonizados pelo ator e roteirista Jacinto Molina Álvarez, que ficaria eternizado com o nome artístico Paul Naschy.
Continuar lendo

DICA DA SEMANA: A Noiva Possuída (2013)

[Por Jarmeson de Lima]

Já cansamos um pouco de ver filmes relacionados a exorcismo e possessão no cinema de horror ocidental com suas fórmulas batidas e finais previsíveis. Sendo assim, fiquei surpreso em ver no catálogo da Netflix Brasil um filme turco chamado “A Noiva Possuída” (Dabbe 4 – Cin Çarpmasi), que apresenta um caso misterioso que supostamente ocorreu há alguns anos em uma pequena aldeia chamada Kıbledere. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Flu (2013)

[Por Felipe Macedo]

O cinema asiático é conhecido por pegar fórmulas americanas e dar um toque pessoal a histórias aparentemente batidas para a maioria do público. Estas produções se caracterizam por mostrar mais camadas e explorar situações que passam batidas em histórias similares de estúdios do Tio Sam. No caso, vamos falar agora de “A Gripe” (Flu), que está disponível no catálogo da Netflix Brasil. Continuar lendo