DICA DA SEMANA: A Noiva Possuída (2013)

[Por Jarmeson de Lima]

Já cansamos um pouco de ver filmes relacionados a exorcismo e possessão no cinema de horror ocidental com suas fórmulas batidas e finais previsíveis. Sendo assim, fiquei surpreso em ver no catálogo da Netflix Brasil um filme turco chamado “A Noiva Possuída” (Dabbe 4 – Cin Çarpmasi), que apresenta um caso misterioso que supostamente ocorreu há alguns anos em uma pequena aldeia chamada Kıbledere. Continuar lendo

RESENHA: Canibais (2013)

MV5BMTU0MDQxODM3MV5BMl5BanBnXkFtZTgwMzg5ODM5MTE@._V1__SX1226_SY560_

Por Júlio Carvalho

Eis que o novo longa de Eli Roth demorou, mas saiu. A produção veio se arrastando desde 2013 com trailers, virais de público passando mal em pequenas exibições etc, rodou nuns festivais aqui e ali, mas só esse ano que estreou no circuito mundial. E a real é que: Canibais não agrada nem se for encarado como uma singela homenagem ao clássico Holocausto Canibal de 1980.

Continuar lendo

RESENHA: Wer (2013)

Wer2013BrentBellMoviePoster

Por Geraldo de Fraga

Certas vezes, um filme de terror se torna relevante por recriar alguma figura clássica, dando a ele uma nova abordagem ou uma origem diferente. São muitos os diretores que tentaram dar um novo gás e reformular alguns personagens clássicos. Porém, para fazer um bom filme não basta só isso. Sem um roteiro consistente e atuações que cativem o espectador, apenas uma premissa interessante não segura a onda. Continuar lendo

RESENHA: Blutgletscher (2013)

A1-Blutgletscher.indd

Por Geraldo de Fraga

Todo mundo sabe que, na história do cinema, existe uma infinidade de filmes parecidos uns com os outros. Não estamos falando de remakes ou de adaptações, apenas de uma idéia inicial que pode seguir caminhos diferentes e gerar obras independentes tendo apenas em comum um ponto de partida semelhante.

Existem vários filmes com a mesma premissa e que se valem de enredos diferentes para se manterem distantes, primando, claro, pela qualidade do roteiro. Infelizmente, não foi o que o austríaco Marvin Kren conseguiu fazer com Blutgletscher, seu segundo longa, lançado no ano passado. É impossível assisti-lo sem que as comparações com Enigma do Outro Mundo, de John Carpenter, surjam de cinco em cinco minutos. Continuar lendo

RESENHA: Patrick (2013)

patrick-poster-2013

Por Geraldo de Fraga

O diretor Mark Hartley é um aficionado pelo movimento Ozploitation (denominação que se dá aos filmes exploitation produzidos na Austrália). Em seu currículo, consta uma grande quantidade de documentários sobre o estilo. Entre eles, o elogiado Além de Hollywood: O Melhor do Cinema Australiano (Not Quite Hollywood: The Wild, Untold Story of Ozploitation!) filmado em 2008.

Toda essa sua paixão pelos filmes de baixo orçamento, obviamente pesou para que sua estréia em longas de ficção fosse um remake de um dos exemplares mais badalados dessa época. E o escolhido foi Patrick, de 1978, dirigido por Richard Franklin. Continuar lendo

RESENHA: Skinwalker Ranch (2013)

Skinwalker-Ranch-2013-Movie-Poster-2

Por Geraldo de Fraga

O estilo Found Footage sempre é lembrado pelo Toca o Terror, devido à grande quantidade de produções do tipo realizadas hoje em dia. Tanto que rendeu até um podcast inteiro sobre esse, digamos, subgênero do horror, além de algumas críticas aqui no blog, como Frankenstein’s Army e V/H/S.

Só que mais difícil do que encontrar uma fita perdida, é achar algum filme que presta no meio de tanta porcaria. E com Skinwalker Ranch (2013) não foi diferente. Dirigido por Devin McGinn e escrito por Adam Ohler, o longa americano conseguiu piorar o histórico do estilo Found Footage a um nível irritante. Continuar lendo

RESENHA: La Casa del Fin de Los Tiempos (2013)

LaCasaDelFinDeLosTiempos

Por Geraldo de Fraga

Se o mundo do cinema for justo, o nome de Alejandro Hidalgo será lembrado por muito tempo. Em seu longa de estreia, o diretor venezuelano é a personificação do ditado de que o talento supera qualquer adversidade. La Casa Del Fin De Los Tiempos (2013) é uma aula de como fazer cinema fantástico.

Uma história onde quase nada é o que parece ser é contada de maneira magistral. Quando começamos a acompanhar a saga de Dulce, que volta para casa após cumprir 30 anos de prisão pela morte do marido, temos a impressão de estarmos diante de um filme comum de casa mal-assombrada. Lá estão os vultos, os sons estranhos, mas como foi dito no começo desse parágrafo: quase nada é o que parece ser. Continuar lendo

RESENHA: Goeng Si (Rigor Mortis) (2013)

rigor-mortis-poster

Por Geraldo de Fraga

A melhor coisa de Goeng Si (Rigor Mortis), escrito por Lai-yin Leung e Philip Yung, e dirigido pelo estreante Juno Mak, é o roteiro sem pé nem cabeça. O que (quase sempre) é um defeito que acaba afugentando o espectador, aqui passa despercebido. Isso porque essa produção chinesa de 2013 nos proporciona um espetáculo visual daqueles que só o cinema asiático pode dar.

O longa está sendo vendido como um filme de vampiros. Não deixa de ser, mas não falamos dos vampiros tradicionais com caninos afiados e que fogem da luz do sol. Na China, é com o “Jiang Shi” que as pessoas têm que se preocupar. Uma criatura das trevas que é combatida… com arroz! Continuar lendo

RESENHA: Big Bad Wolves (2013)

bbw poster

Por Geraldo de Fraga

Quando Quentin Tarantino, conhecido fã de filmes exploitation, elege um filme como o “melhor do ano”, fica difícil não assisti-lo cheio de expectativa. Big Bad Wolves (2013), produção israelense falada em hebraico, dirigida por Aharon Keshales e Navot Papushado, foi escolhida pelo diretor de Kill Bill como a melhor coisa vista por ele, no ano passado.

Esse é o segundo longa da dupla que também foi responsável pelo elogiado Rabies (Kalevet, 2010). Em ambos, além da direção, eles assinam o roteiro. Nessa nova empreitada, acompanhamos a história de um assassino em série que ataca garotinhas em Tel Aviv. Continuar lendo

RESENHA: Antisocial (2013)

Antisocial 2013 movie poster

Por Geraldo de Fraga

Quando George A. Romero, lá 1968, concebeu A Noite dos Mortos-Vivos, dava-se início a uma era onde alguns filmes de horror, além de assustar, teriam suas histórias recheadas de metáforas para criticar a sociedade americana. E nenhum cenário é melhor para promover esse tipo de debate do que um cenário apocalíptico.

Seja uma invasão zumbi, a propagação de um vírus letal ou uma invasão alienígena, o caos estabelecido onde antes havia ordem é um prato cheio para esse tipo de “cinema-protesto”. O próprio Romero já criticou o consumismo deixando seus personagens isolados em um Shopping Center, enquanto do lado de fora, uma horda de mortos-vivos tentava invadir o lugar. (Rolezinho? Pesquisar…) Continuar lendo