RESENHA: Queen Of Spades: The Dark Rite (2016)

[Por Felipe Macedo]

Quando crianças, geralmente gostávamos de assustar uns aos outros e principalmente os coleguinhas menos corajosos. Muito de vocês já brincaram de “céu e inferno”, “brincadeira do copo”, invocar espíritos ou contar histórias assustadoras sobre a Comadre Florzinha e a Loira do Banheiro. Sendo que no fim, tudo se tratava de uma assombrosa brincadeira. Infelizmente para quatro amigos adolescentes, a lenda da Rainha de Copas se torna mortalmente real. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: The Last Heist (2016)

[Por Osvaldo Neto]

Se tem um diretor norte-americano que merecia ser mais conhecido do público que adora um filme de terror, esse sujeito é o Mike Mendez. Ele tem entregue produções genuinamente divertidas e interessantes do gênero. Outros realizadores poderiam se mostrar chateados por apenas serem conhecidos como ‘um diretor de terror’ mas não foi o caso de Mendez, que realizou longas como “The Convent” (2000, inédito no Brasil), “Carta para a Morte” (The Gravedancers, 2006) e “Maldita Aranha Gigante” (Big Ass Spider, 2013). Continuar lendo

RESENHA: Beware the Slenderman (2016)

[Por Geraldo de Fraga]

No dia 31 de maio de 2014, as adolescentes Morgan Geyser e Anissa Weier, então com 12 anos, atacaram uma colega de classe num bosque de Waukesha, subúrbio de Milwaukee. Morgan esfaqueou a garota 19 vezes e, junto com Anissa, a abandonou para morrer. A menina, porém, conseguiu fugir e pedir ajuda. As agressoras foram presas e, na delegacia, confessaram que a tentativa de assassinato foi uma forma de “agradar o Slenderman”. Continuar lendo

RESENHA: Parasites (2016)

[Por Felipe Macedo]

Filmes cuja estética suja e que remetem a clássicos de décadas passadas sempre vão chamar minha atenção, como foi o caso desse “Parasites”, realizado ano passado e de orçamento notavelmente modesto. A história do longa é bem basicona e já vimos em várias vezes. Um grupo de rapazes de fraternidade estão girando por uma grande cidade americana quando acabam se perdendo e acabam sendo vítimas de uma violência jamais imaginada por eles. Continuar lendo

RESENHA: The Walking Dead (7ª temporada)

the-walking-dead-season-7-negan-morgan-935-678x381

Precisamos falar sobre Negan

[Por Geraldo de Fraga]

Jeffrey Dean Morgan chegou para salvar The Walking Dead. Seu Negan distribuindo porradas com o bastão Lucille era o vilão que os produtores precisavam para sacudir a série, já que depois de seis temporadas, os zumbis não passam de figurantes. A tática usada foi a esperada: fazer de Negan a pessoa mais odiada do universo e pouco a pouco mostrar os mocinhos montando um plano de vingança. Continuar lendo

EVENTO: Cineclube Toca o Terror – Dez/2016

cineclube-natal-tocaoterror-2016
JÁ É NATAL NO CINECLUBE TOCA O TERROR

Sessão de dezembro no MAMAM exibe o longa “Elfos” e o curta “Último Turno”, produzido por estudantes da Faculdade Barros Melo – AESO

Subvertendo mais uma vez o espírito natalino, o Cineclube Toca o Terror apresenta em sua sessão de fim de ano no MAMAM mais um filme peculiar. Neste ano, o longa metragem a ser exibido no sábado (10/dez) às 16h é “Elfos” (Dir: Jeffrey Mandel, 1989), uma descarada produção inspirada em Gremlins e lançada direto em VHS. Continuar lendo

RESENHA: Anjos da Noite – Guerras de Sangue (2016)

cartaz-anjos-da-noite-guerras-de-sangue

[Por Felipe Macedo]

A cinesérie Anjos da Noite, retorna para mais um capítulo da luta entre vampiros e lobisomens. Mas será que este novo filme é bacana? Bem, os holofotes continuam voltados para Selene (Kate Beckinsale), a dona da porra toda e fiel seguidora do girl power. Em “Guerras de Sangue” ela é perseguida por ambas as raças, que além de querer ela morta, querem sua filha. Aliás, querem o sangue da garota que pode conceder a vitória de quem conseguir o precioso líquido. Continuar lendo

RESENHA: À Sombra do Medo (2016)

under-the-shadow.jpg

Por Geraldo de Fraga

Babak Anvari foi mais um diretor que estreou em 2016 com o pé direito. Em todos os festivais por onde passou, seja de gênero ou não, Under the Shadow (2016), seu primeiro longa metragem, saiu contabilizando várias e várias críticas positivas, além de alguns prêmios aqui e ali. Tudo isso com atores desconhecidos, num filme falado em persa e com um tipo de assombração que foge do padrão convencional. Continuar lendo