DICA DA SEMANA: Trilogia Macabra (1977)

[Por Osvaldo Neto]

Um ano depois do grande sucesso de TRILOGIA DO TERROR (Trilogy of Terror, 1976), Dan Curtis voltou a divertir e a aterrorizar os telespectadores com mais outra antologia. TRILOGIA MACABRA (Dead of Night, 1977) retoma a parceria de Curtis com o autor e roteirista Richard Matheson nas três histórias fantásticas contadas aqui. Mas ao contrário do que muitos textos e resenhas desinformam até hoje, os três segmentos do filme não são de Matheson e, sim, roteirizados por ele. Continuar lendo

RESENHA: Diário de Horrores (2017)

[Por Felipe Macedo]

Outubro é conhecido como o mês do terror por conta do Halloween, vulgo “Dia das Bruxas”. Sabendo disso, produtoras inundam cinemas, Tv, games e outras mídias de conteúdo desse tipo. Com Michael Myers de volta aos cinemas, a Netflix soltou uma chuva de filmes e séries do gênero, incluindo aqui “Diario de Horrores” (Creeped Out), produção da BBC e adquirida para distribuição mundial pela gigante do streaming. Continuar lendo

RESENHA: XX (2017)

XX-1

[Por Tati Regis*]

Quando fiquei sabendo da existência dessa antologia, fiquei bastante eufórica e feliz..
Agora, eis-me aqui, a convite de Júlio César Carvalho com autorização de Gabi Alcântara (a parte XX desse grupo…rs), escrevendo sobre ele pro Toca o Terror. Logo eu, que apenas dou alguns caracteres de minhas impressões dos filmes que assisto no Facebook. Obrigada, gentes, pelo convite e pelo espaço.

Vamos ao assunto… “XX” é uma antologia de terror dirigida, roteirizada  e protagonizada por mulheres.  No filme, os 4 segmentos  giram em torno de mulheres, seus aspectos, instintos, monstros…sendo que 3 deles tem como foco a mulher maternal. Continuar lendo

RESENHA: As Fábulas Negras (2015)

cartaz

Por Jota Bosco

Rodrigo Aragão, diretor de Mangue Negro (2008), A Noite do Chupacabras (2011) e Mar Negro (2013) lança seu mais novo longa, As Fábulas Negras. Projeto que envolve, além dele, claro, alguns dos principais nomes do gênero no país como Petter Baiestorf e Joel Caetano. E pra fechar com chave de ouro, nada mais que José Mojica Marins (Sim!! José Mojica Marins, porra!!!!). Continuar lendo