RESENHA: Os Outros (2001)

[Por Geraldo de Fraga]

Em 1945, Grace (Nicole Kidman) vive com seus dois filhos em uma mansão isolada na ilha de Jersey, entre a França e a Inglaterra, esperando seu marido voltar da Segunda Guerra Mundial. As duas crianças têm uma estranha doença que os impedem de receber diretamente a luz do sol, por isso a casa está sempre com as cortinas fechadas. Como se não bastasse esse problema, coisas estranhas começam a acontecer, principalmente depois que novos empregados chegam ao local.  Continuar lendo

RESENHA: À Sombra do Medo (2016)

under-the-shadow.jpg

Por Geraldo de Fraga

Babak Anvari foi mais um diretor que estreou em 2016 com o pé direito. Em todos os festivais por onde passou, seja de gênero ou não, Under the Shadow (2016), seu primeiro longa metragem, saiu contabilizando várias e várias críticas positivas, além de alguns prêmios aqui e ali. Tudo isso com atores desconhecidos, num filme falado em persa e com um tipo de assombração que foge do padrão convencional. Continuar lendo

RESENHA: Através da Sombra (2016)

448286-jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx
Por Geraldo de Fraga

Na pré-estreia de Através da Sombra, no Recife, a atriz e produtora Virginia Cavendish afirmou que não teme que seu filme seja rotulado como “Os Inocentes Brasileiro” (ambos são adaptações do livro A Volta do Parafuso, de Henry James). Segundo ela, o filme de Jack Clayton, lançado em 1961, não tem a popularidade necessária junto ao grande público para que se gerem tantas comparações assim. Para o bem do seu longa, é imprescindível que Virginia esteja certa. Continuar lendo

RESENHA: Vôo 7500 (2014)

1fb5befe034ae5e9e4cb122826069ba0

Por Júlio Carvalho

Diretores orientais vez por outra se aventuram em Hollywood e de vez em quando dá merda. Este é o caso de Vôo 7500. O importado da vez é o conceituado diretor japonês Takashi Shimizu. O rapaz é simplesmente o responsável por belezuras do J-Horror como O Grito 1 e 2 (Jun-on, 2002 e 2003), Marebito (2004) e outros. Apesar de estar em cartaz agora, Vôo 7500 é uma produção de 2014. Continuar lendo

RESENHA: Sobrenatural – A Origem (2015)

Insidious-8499_poster_iphone

[Por Jarmeson de Lima]

Confesso a vocês que não tinha lá muitas esperanças quanto a “Sobrenatural – A Origem“. Afinal de contas seria um prequel e a terceira parte dessa franquia que nem é tão boa assim. O que motivaria um filme assim? Imagina… Então quando e$$as coi$as começam a rolar, você já sente o que vem por aí. E pra comprovar a decepção, eis que ele se sai mais preguiçoso e formulaico do que os anteriores.
Continuar lendo

RESENHA: Haunter (2013)

haunter movie poster_thumb[1][1]Por Queops Negronski

Lisa (Abigail Breslin, de Sinais) é uma adolescente americana igual a tantas outras, tem uma família de comercial de margarina, mora numa casa confortável, gosta de rock’n’roll (especialmente artistas ingleses) e está morta. O que mais a incomoda nisso é perceber que seus pais (Peter Outerbridge e Michelle Nolden) e o irmão pequeno (Peter DaCunha) ainda não perceberam que também já não mais vivem e por isso, não se incomodam de reviver o mesmo dia infinitamente, comendo a mesma comida e tendo os mesmo diálogos e dúvidas, enfim, a mesmice que todo adolescente, aliás, toda pessoa odeia. Continuar lendo

RESENHA: Find Me (2014)

MV5BMTM3NjUyMzMzNF5BMl5BanBnXkFtZTcwOTg5OTM4OQ@@._V1_SX640_SY720_Por Júlio César Carvalho

Aviso logo que farei uma análise breve e bem informal desta bela bosta que acabei de assistir. Find Me tem uma premissa que não podia ser mais clichê: Um jovem casal, Tim e Emily, se muda pra uma casa onde tem um fantasma que os vai tirar o sossego. Nesse caso, mais da Emily do que dos outros, mas enfim… O filme começa logo mostrando a assombração, assim, de dia em um balanço aparecendo pra uma criança em um parquinho qualquer. Daí você espera que a trama tenha algo muito interessante além do espírito pra se sustentar e é aí que você se engana. O desenrolar do roteiro é muito fraco. Nada ali consegue criar empatia pela protagonista que sofre uma leve perseguição da fantasma que além da perturbação comum, deixa recados escritos “Encontre-me”. Isso mesmo, pessoal, o fantasma quer apenas ser encontrado. Nada original.
Continuar lendo

RESENHA: I Am a Ghost (2012)

igho33st[1]Por Júlio César Carvalho

I AM A GHOST é o longa de estreia do diretor americano H.P. Mendoza e foi produzido de maneira independente em 2012 através de arrecadações no Kickstarter, mas só agora, em 2014, é que teve seu lançamento em home vídeo (HD Digital e DVD). Nesse meio tempo, o filme vem sendo exibido em vários festivais pelo mundo, chamando atenção do público, da crítica e acumulando premiações em diversas categorias. Continuar lendo