RESENHA: A Maldição da Chorona (2019)

[Por Jarmeson de Lima]

Vou direto ao ponto… faz tempo que não via um filme tão enfadonho e medíocre como “A Maldição da Chorona“. É o sinal de que a fórmula de copiar e colar os clichês da Blumhouse não estão mais surtindo os efeitos que deveriam. Até o visual da Chorona se parece com o da Freira para tentar pegar uma lasquinha do sucesso da antecessora. Por isso é que me espantaria muito se isso vier a fazer sucesso. Continuar lendo

RESENHA: Slender Man – Pesadelo Sem Rosto (2018)

[Por Jarmeson de Lima]

Cria da rede mundial de computadores, o famigerado Slender Man é personagem frequente em um bom número de sites, montagens, videos amadores e reportagens de qualidade questionável que abordam o tema do sobrenatural com casos inexplicáveis. É claro que esse mito urbano do homem alto e esguio sem rosto que mexeu com a imaginação de vários jovens pelo mundo, um dia ia cair na tela do cinema. Continuar lendo

FOLCLORE: Boitatá

Zoe_Gruni_-_divulgacao1

No folclore brasileiro, o Boitatá é uma gigantesca cobra-de-fogo que protege os campos contra aqueles que o incendeiam. Vive nas águas e pode se transformar também numa tora em brasa, queimando aqueles que põem fogo nas matas e florestas.

A palavra, de origem indígena como a lenda, tem o significado de cobra (mboi) de fogo (tata), sendo Mbãetata em sua lingua original. Pensaram entao, em juntar as duas palavras (mboi e tata) para transforma-las neste mito: Boitatá. Ainda hoje, esta lenda folclórica impressiona adultos e crianças, sendo citada, inclusive, como personagem de destaque em várias obras contemporâneas.

Prova disso é a exposição “Boitatá” da italiana Zoè Gruni, que ocupa a Galeria Progetti, no Rio de Janeiro, até o dia 24 de agosto. A mostra conta com desenhos feitos com carvão remetendo a partes do personagem que representa a encarnação do medo, além de uma escultura do Boitatá, além de vídeos e fotos.

Em suas pesquisas, Zoè Gruni busca a exploração escultural da corporeidade por meio da criação de esculturas que podem ser vestidas e vividas. Estas esculturas são figuras híbridas de seres humanos e personagens folclóricas da cultura onde a artista está imersa, e, geralmente, são feitas com materiais produzidos pela economia local.

Exposição Boitatá
Local
: Galeria Progetti – Travessa do Comércio, 22, Centro – Rio de Janeiro
Visitação: Terça a sábado, das 12h às 18h – Até 24 de agosto
Entrada franca