RESENHA: Morto não Fala (2019)

[Por Geraldo de Fraga]

Há um grande desafio para qualquer filme brasileiro de horror que se passe na periferia de uma metrópole. Nossos subúrbios não são como os americanos ou os ingleses, retratados sempre com aquele ar de tranquilidade e isolamento. As “quebradas” são um amontoado de pessoas e casas humildes, com ruas estreitas e, quase sempre, territórios violentos. Continuar lendo