DICA DA SEMANA: The Houses October Built (2014)

[Por Gabriela Alcântara]

Se tem uma coisa que realmente me assusta, é o tipo de crueldade que os seres humanos são capazes de cometer por mera diversão. E aparentemente o Halloween dos Estados Unidos é um feriado perfeito para que os dodóis do mundo se divirtam com banhos de sangue. Partindo dessa premissa tão rica para filmes de terror, o found footage The Houses October Built (2014, Bobby Roe) traz a história de um grupo de amigos que faz uma road trip em busca das mais assustadoras casas mal-assombradas. Continuar lendo

RESENHA: Diário de Horrores (2017)

[Por Felipe Macedo]

Outubro é conhecido como o mês do terror por conta do Halloween, vulgo “Dia das Bruxas”. Sabendo disso, produtoras inundam cinemas, Tv, games e outras mídias de conteúdo desse tipo. Com Michael Myers de volta aos cinemas, a Netflix soltou uma chuva de filmes e séries do gênero, incluindo aqui “Diario de Horrores” (Creeped Out), produção da BBC e adquirida para distribuição mundial pela gigante do streaming. Continuar lendo

RESENHA: O Terceiro Olho (2017)


[Por Felipe Macedo]

A Netflix, desde seu início sempre investiu bastante no gênero horror e nos mostrou várias obras de diferentes qualidades no decorrer desses anos. O porém é que esses produtos eram unicamente americanos. Só recentemente a gigante do streaming vem colocando em seu catálogo filmes e séries de outras nacionalidades como é o caso desta produção tailandesa “O Terceiro Olho” (The 3rd Eye). Continuar lendo

DICA DA SEMANA: O Grito 3 (2014)

[Por Júlio Carvalho]

Se você acha que de malassombro só tem Jason, Freddy, Michael e afins, fique sabendo que lá no Japão tem uma alma penada chamada Toshio, que já vem rendendo uma franquia de quase 10 filmes sem nem contar os remakes americanos. A dica do fim de semana é o “terceiro” longa dessa saga – O GRITO 3: O COMEÇO DO FIM – que praticamente se trata de uma história de origem e que se encontra no catálogo da Netflix Brasil. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: A Cidade dos Amaldiçoados (1995)

[Por Gabriela Alcântara]

Se você é como eu e tem uma paixão especial por filmes de John Carpenter e também por crianças maléficas com olhos que brilham (um beijo pra Bonnie Tyler e sua obra prima, Total eclipse of the heart!), “A Cidade dos Amaldiçoados” é o filme certo pra dar o pontapé inicial no final de semana. Claro que, especialmente nos dias de hoje – e especialmente entre o público mais jovem – o filme pode arrancar algumas risadas devido aos efeitos especiais datados. Então se você for assisti-lo sem pretensões de assistir a um filme sério, seria ainda melhor. Continuar lendo

RESENHA: What The Waters Left Behind (2017)

[Por Jarmeson de Lima]

Apesar de todas as críticas, temos sorte de ter ao alcance de alguns cliques um acervo de filmes que fogem do circuito hollywoodiano no catálogo da Netflix Brasil. Nos últimos meses acabei vendo filmes indianos, árabes, franceses, coreanos, mexicanos e agora, um argentino na plataforma de streaming. E todos do gênero horror e recentes, vale dizer. Continuar lendo

RESENHA: Emelie (2015)

[Por Gabriela Alcântara]

A busca por bons filmes na Netflix nem sempre é fácil. Emelie (2015), de Michael Telin, pode não ser o melhor filme que você verá na sua vida (nem mesmo neste final de semana), mas traz uma experiência bacana através da boa execução. Além disso, o filme tem uma trama que evoca medos extremamente comuns em todas as mães e pais: o medo de que algo aconteça algo a seus filhos. Continuar lendo

RESENHA: Veronica (2017)


[Por Jarmeson de Lima]

O cinema de horror espanhol, como bem sabemos, produz filmes acima da média com temáticas obscuras, conflitos espirituais e bastante criatividade. Desta vez, Paco Plaza, co-criador de [rec] aparece para o mundo com Veronica, obra disponível na Netflix e que já foi apontado por alguns como o filme mais assustador da plataforma. Ok, ele é bom, mas vamos com calma. Continuar lendo

RESENHA: Aniquilação (2018)



[Por Jarmeson de Lima]

Eis que vemos a Netflix apostando mais uma vez em uma produção de ficção científica. Apesar de ter estreado em território nacional na polêmica plataforma de streaming, o destino de “Aniquilação” (Annihilation) era mesmo o cinema. Os cenários psicodélicos com plantas e criaturas estranhas com mutações lovecraftianas combinariam bem com as telas gigantes em que nos habituamos a ver tais produções. Continuar lendo