LISTA: Filmes que se passam no Halloween mas que não são da franquia Halloween

Saindo um pouco do convencional com uma lista de cinco filmes recentes de terror que se passam em dias como este


“Festa Assassina” (Murder Party)
Em uma clássica comédia de terror, onde a pessoa errada vai pro lugar errado na hora errada, encontramos Chris, um típico sujeito qualquer que se depara com um convite de uma festa de Halloween na rua e resolve encarar a diversão. Chegando lá no local, descobre da pior maneira que a festa é apenas para os caras que querem se divertir com sua presença em um tipo de performance doentia. Rápido e divertido, o filme dosa bem a violência e o humor em um roteiro inusitado.
Continuar lendo

SÉRIE: Marianne (2019)

[Por Felipe Macedo]

Histórias de bruxas sempre fascinaram o público. Sejam elas voltadas pra algo mais assustador ou infantil, essas personagens sempre causaram certo impacto. A lenda da bruxa má povoa nossa imaginação desde a infância em histórias como “João e Maria” e depois na vida adulta em filmes como “Suspiria”. A Netflix sabendo do interesse sobre o tema e na falta de produções atuais sobre o assunto, trouxe recentemente para seu catálogo a série francesa “Marianne” prometendo noites insones para o público. Continuar lendo

DICA DA SEMANA: A Marca do Homem Lobo (1968)

[Por Jota Bosco]

O horror espanhol, que hoje é cultuado pela realização de obras como “[REC]” e inspiração de outras como “O Orfanato” e “Os Outros” já viveu um “Ciclo de Ouro” durante os anos 60 e setenta com obras de baixo orçamento focadas em distribuição internacional. Além de ser o pontapé inicial deste movimento, “A Marca do Homem Lobo”, dirigido por Enrique López Eguiluz, é o primeiro da série de filmes de lobisomem protagonizados pelo ator e roteirista Jacinto Molina Álvarez, que ficaria eternizado com o nome artístico Paul Naschy.
Continuar lendo

DICA DA SEMANA: Eu Enterro os Vivos (1958)

[Por Osvaldo Neto]

Robert Kraft (Richard Boone), um homem bem sucedido, recebe a tarefa de cuidar do cemitério da cidade, que é administrado pela sua família, também dona de uma grande loja local de departamentos. Enquanto não arranja um substituto, ele recebe a assistência de Andy McKee (Theodore Bikel, roubando cenas), um antigo funcionário que trabalha no local há 40 anos e irá se aposentar. É quando Robert se depara com um enorme mapa no escritório que contém todos as sepulturas, as ocupadas (marcadas por alfinetes pretos) e desocupadas (marcadas por alfinetes brancos). Continuar lendo

RESENHA: Medo Viral (2017)

[Por Osvaldo Neto]

Uma das coisas mais irritantes no fã de terror (para não dizer do público em geral) é aquela velha cobrança de que ‘falta originalidade’ nos filmes feitos atualmente. Bom… o nascimento do cinema data de antes de 1900, muita coisa foi feita desde então e é seguro dizer que hoje vivemos numa época onde a frase “Nada se cria, tudo se copia” tem sido cada vez mais certeira. Continuar lendo

RESENHA: Ghostland (2018)

[Por Geraldo de Fraga]

Lá em 2008, Pascal Laugier escreveu e dirigiu Martyrs, um dos destaques do New French Extremity, movimento composto por filmes transgressivos de diretores franceses na virada do século XXI. Dez anos depois, Pascal revisita suas raízes, reverenciando suas referências e, mais uma vez, investindo na violência. Continuar lendo

DVD: A Menina do Outro Lado da Rua (1976)


[Por Osvaldo Neto]

A jovem Jodie Foster teve um grande ano em 1976. Além de trabalhar com Martin Scorsese em TAXI DRIVER, ela viria a ter papéis de destaque no musical QUANDO AS METRALHADORAS COSPEM, de Alan Parker, no pouco conhecido drama ECOS DE UM VERÃO (filmado 2 anos antes), de Don Taylor e no longa que comentaremos hoje. A MENINA DO OUTRO LADO DA RUA chega pela 1a. vez no Brasil em DVD com um excelente tratamento pela distribuidora Obras-Primas do Cinema. Continuar lendo

SÉRIE: The Terror (2018)

[Por Geraldo de Fraga]

Em 1845, os navios Terror e Erebus, os que haviam de mais modernos na Marinha Real Britânica, partiram para o Ártico com a missão de encontrar uma passagem entre os oceanos Atlântico e Pacífico. As embarcações ficaram encalhadas no gelo e nenhum dos seus tripulantes resistiu aos três anos em que tiveram que viver isolados do mundo.
Continuar lendo