RESENHA: O Corpo (2015)

[Por Osvaldo Neto]

Algo que me chateia – e muito – são os filmes inflados, tanto em ritmo quanto pelos momentos repetitivos, apenas enchendo a boa e velha linguiça e o saco do espectador. Mas, por enquanto, vamos deixar os filmes “de arte” e esses blockbusters recentes que devem ter aumentado a incidência de cãibras e de dores nas nádegas e coluna no mundo inteiro de lado para falar do que importa aqui nesse blog.

Continuar lendo